Sobre Uribam Xavier

Uribam Xavier - gosta de café com tapioca e cuscuz, peixe frito ou no pirão, de frutas e verduras, antes de ser hipertenso era chegado a uma buchada e a um sarapatel. Frequenta o espetinho do Paraíba, no boêmio e universitário bairro do Benfica [Fortaleza], e no pré-carnaval segue o bloco Luxo da Aldeia. É professor, ativista decolonial e anti-imperialista, escrever para puxar conversa e fazer arenga política. Seus dois últimos livros são: “América Latina no Século XXI – As resistências ao padrão Mundial de poder”. Expressão Gráfica Editora, Fortaleza, 2016; “Crise Civilizacional e Pensamento Decolonial. Puxando conversa em tempos de pandemia”. Dialética Editora, São Paulo, 2021

PELO ESGOTAMENTO DA PASSIVIDADE

Violência e mais violência, sempre produção de ameaças, misérias e mortes. Se olharmos para frente, temos a impressão de que com o passado se foi o nosso melhor. Uma violência incessante não tem trégua, é sempre um recomeço, uma bolsonarização

O terrorismo cotidiano de Bolsonaro

Bolsonaro tem uma formação religiosa e militar, ou seja, é formado por culturas que são hierárquicas, autocráticas e avessas à democracia. Não existe religião e nem exército democráticos, todos são autocráticos. Neste, a obediência e a violência são instrumentos para

A vida como imperativo

Vive-se sem emprego, mas não existe emprego sem vida. A maioria dos trabalhadores no mundo vive na miséria, mas não existe patrão acumulando riqueza sem a exploração de mão de obra. O mercado tem a acumulação de riqueza como valor

MTST/CE CONVIDA PARA AÇÃO SOLIDÁRIA

O Ceará é o terceiro estado do país com maior número de casos confirmados de Covid-19. As projeções dos médicos e estatísticos são assombrosas, apontando possível tragédia de enormes proporções a atingir o Brasil, cujos efeitos podem ser ainda mais