Sobre Jessika Sampaio

Curiosa, tagarela, viajante, feminista, caótica e contraditória. Ignorante sobre quase tudo e em constante aprendizado sobre o vazio da existência. Além de ser bicho humano, já atuei como jornalista, radialista, assessora de imprensa e de comunicação, coordenadora de comunicação e em lutas ambientais e LGBTQIA+. Em processo de aceitação da escritora que grita aqui dentro.

Carta ao meu amor

 
Ilustração: Gervasio Troche
 
Quando eu começar a contar as minhas histórias de como quase morri inúmeras vezes, talvez você imagine que, perto de mim, você vai sentir algo próximo ao “emocionante”.
Em um primeiro encantamento:
Talvez você me ache enigmática;
Talvez você

Seguro minha alma no corpo

Naquele momento, enquanto procurava fazer o ar entrar nos pulmões, lembrei de uma frase que ouvi em um bar “Eu chorava abraçada ao travesseiro como se assim eu segurasse minha alma dentro do corpo”. Eu estava exatamente assim naquele momento.
Aquela

Seguir

Duas semanas sem o antidepressivo e o remedinho que controla a tal ansiedade tem feito falta.
Nas duas últimas semanas a raiva é a coisa que mais me revira.
Ao voltar de uma das muitas obrigações que me proponho a ter, choro

Estou

Sinto
Paixões arrebatadoras
Percussões internas
Fecho os olhos e sinto
Cheiro o silêncio
Sinto a enchente de palavras não ditas
Minha pele arrepia com o sussurro do vento
Sinto
Fecho os olhos e vejo as cores da música
Imagino as pessoas que dançam, mesmo sentadas.
Suas cores dançam ao seu

Impulso nervoso

Não consigo. 

Se fecho os olhos até consigo ver e acompanhar as palavras caminhando nas sinapses de meu cérebro, mas elas não se encontram. Não formam frases. Elas não me dizem o que querem.

O corpo sabe o que quer. Passo o

Kintsugi*

Eu temo e desejo

Eu temo e rejeito

Eu temo e anseio

Eu temo e me fecho

Eu não sei se quero entender

Teimo eu querer entender

No fundo eu só queria adormecer. 

Em ti. Contigo. 

Mas, ao invés disso, preciso te matar aos poucos dentro de mim.

Chorar

Amor em tempos de isolamento

—Aii!
Sinto aquela pontada pertinho do útero no meu lado esquerdo. 
– Eu sabia que estava ovulando! Esse tesão todo não viria do nada.
Bem que as vezes vem, mas esse era prenunciado pelo período fértil.
A dor traz um lembrete que nessa época

Distorção

Todas aquelas pessoas ainda vivem em mim
Apontando, rindo e julgando
Aquela é velha, a outra é gorda
.
Gorda | Desleixada.
.
Gorda | Porca.
.
Gorda | Nenhum homem quer.
.
Gorda | Não consegue nem trabalho.
.
Gorda | Imunda.
.
Como fez isso consigo?
.
Aos 7 aprendia; aos 9 aprendia;

Fabril

O tempo passa tão rápido.
Sinto que os dias são cada vez mais curtos ou será que eu que sou lenta?
Quando percebo estou a mil. O coração, a respiração e a cabeça. Se paro um pouco logo penso: tempo perdido,

Represa

Ao longo dos anos construí em mim uma represa que foi necessária por um tempo. No entanto, hoje, vejo que as águas paradas e sem uso se tornaram densas e sufocantes. A cada estação em que a correnteza precisava seguir

Benfique-se

Quantos e quantos amores eu tive/tenho em/por Fortaleza? Olha, entre pessoas, lugares, experiências e relances, acho que eu teria que viver mais duas vidas para contar tudo. No entanto, minha memória é péssima, o que provavelmente é aliviante, para você,