Sobre Alder Teixeira

Professor titular aposentado da UECE e do IFCE nas disciplinas de História da Arte, Estética do Cinema, Comunicação e Linguagem nas Artes Visuais, Teoria da Literatura e Análise do Texto Dramático. Especialista em Literatura Brasileira, Mestre em Letras e Doutor em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais. É autor, entre outros, dos livros Do Amor e Outros Poemas, Do Amor e Outras Crônicas, Componentes Dramáticos da Poética de Carlos Drummond de Andrade, A Hora do Lobo: Estratégias Narrativas na Filmografia de Ingmar Bergman e Guia da Prosa de Ficção Brasileira. Escreve crônicas e artigos de crítica cinematográfica

Paixão pela literatura

Ao levantar curiosa questão sobre a leitura obrigatória de Machado de Assis nas escolas, o  prestigiado youtuber Felipe Neto deu uma contribuição importante para o debate em torno do ensino de literatura. Pelo prestígio de que goza nas redes sociais,

Sobre rinocerontes e gado

Amigo Paulo E. publica, no facebook, texto interessante em que lê a realidade brasileira hoje à luz de Ionesco. Minto: à luz da peça O Rinoceronte, de Eugène Ionesco, que constitui o texto dramático mais popular do escritor romeno nascido

A tragédia anunciada

Eis que chegamos ao novo 2020. Não, você não leu incorretamente. Usei de um artifício de retórica para destacar o que me parece uma obviedade: o ano que começa, infelizmente, tende a ser uma repetição perversa de 2020, pelo menos

Cartinha ao professor querido

Meu querido professor e amigo Diatahy.
Há intelectuais diante de cujos trabalhos talvez bastasse dizer: “Li o seu artigo, seu ensaio, seu livro etc.”, e desse registro tirar-se-iam as conclusões mais óbvias acerca dos mesmos, porque dotados de qualidades tão esperadas

Ainda sobre Clarice Lispector

Quando escrevi aqui sobre o centenário de Clarice Lispector, ocorrido na quinta-feira 10, chegaram-me inúmeras manifestações de enorme apreço pela escritora nascida na Ucrânia e vinda para o Brasil contava ela menos de três meses. Muitos desses leitores (curiosamente homens,

Uma furtiva lágrima

Durante a semana, desde que teci comentários sobre o mais recente romance de Nélida Piñon, foram recorrentes as mensagens que recebi sobre a autora, e, em especial, o seu livro de memórias Uma furtiva lágrima. O fato de que esses

PT lidera em returnos

Foi morta pelo poder/que queria silenciar/a sua voz de denúncia/e a extrema rebeldia/com palavras de luar (Maria Teresa Horta, sobre Marielli)
Às vésperas do Dia da Consciência Negra, comemorado hoje como forma de desconstruir o mito da benevolência de uma princesa

Novos Ventos

É muito cedo, por certo, para falar em desconstrução do ideário neofascista no mundo. Há indícios, no entanto, de que a onda ultradireitista vem sofrendo abalos sucessivos, o que constitui alento para os que amam a democracia e se angustiam