Sobre Marcos Abreu

Poeta, Escritor, Declamador de Poesias, interprete do cancioneiro em MPB e outros gêneros; cronista, contista, romancista. Nascido em Fortaleza-Ceará é autor das seguintes obras: "Poesias de um Poeta Louco"(1995), " Nas Teias da Poesia" (1997)-Editora Passárgada- Pernambuco-Recife "Retalhos Poéticos" Poesia Livro-2000 Cordéis Publicados: " A Revolução Humana" publicado pela Fraternidade Arte e Cultura-2011 " O Rouxinol e a Rosa" Literatura Infantil- Editora Flor da Serra-2016 " A Coisificação da Sociedade na pós-modernidade" " Versos de Ouro" Fecomércio-Senac-Sesc-IPDC Antologias: Poetas da Praça do Ferreira-Editado Pela BSG-Bureau de Serviços Gráficos-Editor- Márcio Catunda-2018 "Amor Música e Poesia" Editor: Antonio Pompeu. Romances: " O Louco e o Estado-Expressão Gráfica-Fortaleza-2019-Edição e Prefácio-Dimas Macedo

O Eco de Nietzsche

Era uma tarde de primavera, com o sol pintado de dourado e os campos verdejantes ao redor da pequena cidade onde resido. Sentado à sombra de uma velha árvore, deixei-me envolver pelas páginas de um livro que há tempos me

O clarão Poético de Stéphane Mallarmé

No interior do século XIX, quando Paris brilhava sob os lampejos da Revolução Industrial e as ruas se agitavam com a dança dos gasômetros, um poeta emergiu das sombras para deixar sua marca na história da literatura francesa. Seu nome

Os podres poderes do Estado

Os podres poderes do Estado.
Marcos Abreu
O Estado é um “Rei” absoluto,
Revestido de três podres poderes,
Onde um executa atividade,
E um outro legisla a crueldade,
Já um outro, os seus podres afazeres,
Não existe justiça e nem direito,
Tudo é farsa montada, sujo esquema,
Das elites,

Cruz de Souza: a voz da resistência

Há tempos em que as palavras ganham vida própria, ecoando pelos séculos como símbolos eternos da luta por igualdade e liberdade. E um dos nomes que ressoa com força nesse cenário é o de Cruz de Souza. Poeta negro, escritor

Charles Baudelaire: O Poeta Maldito

Era uma vez, no século XIX, um homem de alma inquieta, de olhar melancólico e pensamentos obscuros. Seu nome era Charles Baudelaire, um poeta francês considerado um dos principais representantes do simbolismo e precursor do decadentismo.
Desde cedo, Baudelaire mostrou-se um

Amizade

Dizem os sábios: “A amizade é uma planta, que deve ser preservada, mesmo durante a seca”. Eu, como poeta e escritor, a vejo como uma dádiva do nosso Altíssimo Deus.
Há pessoas, que sabem ser amigas; já, existem outras

Santíssima Palavra

Não esqueço um só momento,
Do meu Senhor protetor,
Que me ama de verdade,
E me dá profundo amor,
Sua palavra é bendita,
Nas mãos de qualquer artista,
Um saboroso Licor.
Quanto mais se estuda Ela,
Mais sábio se vai ficando,
É brisa, é aquarela,
No seu ser se enraizando,
É

Mães

As mães são santas Divinas,
cujo olhar bondoso e terno,
pela Ventura dos seus filhos,
Pede sempre ao Pai Eterno,
São musas divinizadas,,
Amam com muita firmeza,
São mães que até dão a vida,
Lutam com muita grandeza,
Por seus filhinhos amados,
Enfrentam vil correnteza,
Devotadas aos cuidados
Com que dá

Elogio a uma Árvore

Árvore mística e eterna,Sei que sabes mais que euA História dessa gente fraterna,Que ao teu lado padeceu.Árvore amiga e sincera,Que nesta tarde, ao teu lado passoE nestes versos de quimera,Contemplo a tua beleza e o meu cansaço.Somos irmãos, árvore amiga,Em

Imagine

Imagine um mundo sem políticos esquerdopatas, adoecidos pelo materialismo epiléptico, libertos do materialismo histérico.
Imagine um mundo, sem sociopatas, sem liberais, sem neoliberais, imagine humanidade, um mundo sem religiões impostas, sem repúblicas controladas pelo Rei Estado.
Imagine um mundo onde