Viver ou não viver, essa não é a questão! – CLAUDER ARCANJO

Após a cura do Companheiro Acácio, o mundo mudou para mim. Uma melancolia estranha invadiu o meu riso. A possibilidade de perder o meu amigo dileto mexeu com minhas certezas, arranhou a pele das minhas ilusões, baratinou os projetos que eu acalentava para o futuro, visto anteriormente como promissor, alvissareiro.

Os mais próximos perceberam a mudança no meu humor. Nabuco lambia-me os pés, a tentar remover-me daquele pântano de tristeza. Macambúzio, eu coçava-lhe a cabeça, porém logo voltava para dentro de mim mesmo, a conversar com meu mar de dúvidas.

“Viver ou não viver, eis a questão”, pensei certa tarde.

— Deixe de frescura, seu Clauder Arcanjo! Agradeça o dom da vida. Eu, que vi os olhos escuros da morte de perto, não estou assim, amigo! Reaja! Licânia precisa de nós — convocou-me Acácio.

— A vida vale a pena? — indaguei-o.

Notei que ele ficou rubro, e quando Acácio fica com a tez sanguínea, caro leitor, o melhor é sair de perto.

— Estamos conversando, não se afobe! — tentei serená-lo.

— Você fica metido com leituras que lhe dão as razões dos livros, amigo, e olhe ao que isso leva! Em muitos casos, sua filosofia celulótica mais atrapalha do que ajuda. Ontem, tarde da noite, vi-o sobraçado com o tomo do perturbado do Hamlet. Aquele sujeitinho de Elsinore, amigo, príncipe de araque, é mais doido do que o maior louco de nossas bandas! — disparou.

— Respeite o Bardo! — intrometeu-se Carlos Meireles, que acompanhava o nosso diálogo à distância.

— Olhe aí outro discípulo da teoria de que se deve ver o mundo pelas lentes borradas dos escritores. Não sabe descascar uma laranja, mas vai ao ápice do prazer lendo um mestre a descrever um suco de laranja num café da manhã romântico. Estarei errado, senhor Carlos Meireles? E outra coisa, a conversa não chegou à cozinha dos bibliófilos. Vá lá para a sua releitura de Memórias do subsolo, e me deixe aqui com este deprimido de uma figa! — cuidou o Companheiro de expulsar o Carlos Meireles, enquanto se dirigia a mim com o dedo maior de todos da mão direita em riste.

— Sabe que me veio uma ideia, seu Arcanjo: vou curar essa sua depressão com aquela mesma terapia com que você expulsou a minha Covid. Ou seja, vou enfiar este dedão no seu fiofó. Num instante você vai se concentrar nos assuntos que realmente importam! Estarei errado? — vaticinou Acácio, cercando-me pelas costas.

— Há mais coisas entre o céu e o mar do que desconfia a nossa vã filosofia, Companheiro Acácio. No entanto, fique logo sabendo, o primado de um traseiro incólume é ponto de honra para mim. Questão dogmática! — devolvi, encostando a retaguarda na parede da sala.

Nabuco, até então calado e recolhido, intrometeu-se:

— Mi, mi, mi… Mi… miauuuu… miauuuu…

Pus os olhos em Acácio, interrogando-o:

— Nabuco está rindo de nós?

— De nós, não. Ele está rindo de você. Numa tradução livre e anal, algo como: “Quem tem cu tem medo!”

Carlos Meireles, Uélsson, João Américo e Lourenço caíram numa risadaria frouxa. Eles nos aguardavam na calçada da pensão do Raul, a ouvirem toda a nossa dialética anti-covidiana.

Fechei os meus livros, guardei-os no fundo da minha mala. Com pouco, depois de respirar filosoficamente fundo, anunciei:

To live or not to live, that’s not the question! Viver ou não viver, concordo, essa não é a questão. Vamos, Licânia nos espera. Chega de vítimas, temos que curar nossa gente; é esta a nossa sagrada, e indelegável, missão.

Ganhei o mundo, sendo seguido pelos meus amigos.

Ruas desertas, becos vazios. Em nós, apenas a certeza de que a cura daquela maldita pandemia não se encontrava na literatura. Conosco, três valorosos aliados: a esperança, a criatividade e a obstinação.

— Covid, aqui vamos nós!

Tal brado ecoou retumbante pelos céus silentes da província ferida, e muito querida.

Clauder Arcanjo

Clauder Arcanjo

Clauder Arcanjo é escritor, membro da Academia de Letras do Brasil. Autor das obras Licânia, Novenário de espinhos, Uma garça no asfalto, Cambono, O Fantasma de Licânia, entre outras.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.