Um Teto Todo Seu

Baseado em palestras proferidas pela autora, em 1928, o livro Um Teto Todo Seu (São Paulo: Tordesilhas, 2014), de Virgínia Woolf, compreende uma reflexão acerca das condições sociais da mulher e suas influências na produção literária feminina. 

   Esse livro coloca em discussão o lugar que a mulher ocupa na sociedade e as suas dificuldades para expressar livremente o seu pensamento. Woolf defende que essas condições sejam transformadas, que a escrita feminina possa fluir sem sujeição e que a sua produção literária seja levada em consideração.

   Imaginando qual seria a trajetória da irmã de Shakespeare – caso o famoso escritor tivesse uma irmã e ela fosse tão talentosa quanto ele –, Woolf descortina para o leitor um cenário no qual as mulheres quase não dispunham de recursos financeiros e possuíam pouco prestígio social e intelectual.

  Afirma a autora que o papel reconhecido a cada um dos sexos pode interferir no desenvolvimento de suas habilidades; e mostra como, na época, o reconhecimento da competência de uma pessoa dependia de seu sexo, uma vez que a sociedade reservava aos homens e às mulheres papéis e atribuições bastante diferentes.

   Na sua época, a maioria das mulheres ainda não dispunha da liberdade e privacidade necessárias para ter um lugar próprio para refletir e elaborar a sua criação. Daí a conclusão da escritora de que “uma mulher precisa ter dinheiro e um teto todo seu se quiser escrever ficção”.

  Conhecida como romancista, contista e, especialmente, como criadora cuja produção se impôs qual um corte nos aspectos formais e linhas de montagem da ficção moderna, Virgínia Woolf foi, sobretudo, uma grande ensaísta, das maiores, com certeza, produzidas pela literatura britânica.

  A sua prosa poética tem sabor incomparável; as suas crônicas e os seus ensaios estão entre as páginas da maior expressão, fundindo cores e imagens que nos levam, de imediato, para o reino do encantamento, onde as palavras se revestem de luz e harmonia.  

  Com a linguagem original e a fluidez de pensamentos que lhe são próprias, Woolf denuncia uma duplicidade de padrões vigentes na sociedade, segundo a qual os homens eram estimulados a aprimorar suas habilidades criativas, enquanto às mulheres era reservado um papel de sujeição.

  Essa edição da Editora Tordesilhas, além da tradução rigorosa de Um Teto Todo Seu, traz uma seleção de trechos dos diários de Virgínia, uma cronologia da vida e da obra da autora e um posfácio escrito pela crítica literária, romancista e colaboradora da Folha de São Paulo, Noemi Jaffe.

Dimas Macedo

Poeta, jurista e crítico literário. Professor da UFC.

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.