PARTITA* – por Duarte Dias

*Escrito ao som das “Partitas for Harpsichord”, de Christoph Graupner (http://twixar.me/h9w1); recomenda-se a leitura em igual condição.

“| Honoráveis Mirantes |

Conforme determinações da Câmara Alta, Codex 84713-XB, Diretriz 332-A2, registre-se:

IF.01 – Concluídos todos os protocolos termonucleares do Setor U.23E, Nave Trirreme 08, conforme Relatório Sistêmico 039 elevado ao M.A.P.A;

IF.02 – Organogramix Geral de Latência em consonância com Rotina Matriz de Procedimentos Alfa.

Conclusão: Planificação Operacional  finalizada e apta ao pleno desenvolvimento das funções previstas para o Grande Dia.

Em prontidão,

J.D. 32/K1, Trierarca-Mor Z23-A.

Tharsis, Marte, 531º Dia do ano 70 D.T.”

“Não cabe alimentar esperanças. Bem sei o quanto gostaria de estar em seus braços, você que é aquela a quem meu coração pertence desde antes e agora, enquanto flutuo entre essas ilhas planetárias que talvez não mais ocultem do que a solidão das esferas mortas.”

 

“Você diz isso em meio a essa longa jornada que pode vir a ser o marco do nosso adeus, razão que nos lançou no distanciamento que aniquila os seres, parecendo esquecer ter sido essa uma decisão unicamente tua, temeroso mais por teus sentimentos do que pelos meus, a quem o futuro não merece mais espanto do que os dias presentes.”

 

“Meu amor, você tem parcial e por isso mesmo injusta razão, muito embora talvez seja esse de fato um erro meu, muito por não observar, entre as vastidões desconhecidas e carregadas de invisíveis perigos, a segurança necessária para afirmar retorno pleno dessa aventura incerta em meio ao vazio do Cosmos. Quem poderia dar a garantia necessária para a boa ida e acomodação em nosso destino, Europa, lua de Júpiter? Sim, sabe-se muito no presente, desde a melhor rota a seguir por entre o inóspito cinturão de asteróides até o evitar das devastadoras camadas de radiação estelar, ou mesmo o ludibriar da impensada natureza dos anéis de debris sólidos que antecedem a crosta gelada do satélite alvissareiro. Mas, e depois? Quais os terríveis temores por trás dos segredos ainda não sabidos? É fato que não seremos os primeiros; há vida natural por lá, sabemos há décadas. Mas não se trata mais disso, e sim da adaptação de uma colônia de jovens pioneiros marcianos, a primeira formada, em grande parte, por cidadãos comuns, embora destacados por critérios elevados.”

 

“Não me interessam mais os assuntos dessa viagem, não quando me separam de você que, infelizmente, fez uma escolha solitária, condenando minha existência a uma promessa sem garantia, a um campo eivado de sonhos que não se podem consolidar a não ser através de débil esperança. Resta-me o mergulhar na eterna música que a mim chega das estrelas, maior e mais bela expressão da minha e da sua insignificância.”

 

“Dói em mim ouvir você falar nesses termos da missão que me foi em parte confiada. Assim como a música que tanto lhe cativa a alma é um dos únicos elos com a grandeza espiritual dos nossos antepassados, hoje extintos na extinta Terra, você é, para mim, o único elo capaz de me conduzir, com leve alegria, de volta a esse mundo que deixei para trás. Porque você também é música das estrelas, som límpido das esferas celestiais, onda cósmica que me transporta pelos enigmáticos e prazerosos labirintos do sentimento.”

“| Honoráveis Mirantes |

Conforme determinações da Câmara Alta, Codex 74921-RH, Diretriz 827-S33, registre-se:

IF.4081 – Ultrapassamos com sucesso o perigoso Cinturão de Asteróides, onde obtemos, em meio a um vasto oceano de areia estelar e pedregulhos de variadas dimensões que giravam em altíssimas velocidades, importantes dados de Ceres, o planeta anão cujo diâmetro confirmado é de 957,3 km. Estimamos como possível, em futuro próximo, sua utilização como base logística avançada, o que poderá gerar muitos benefícios para futuras expedições exploradoras.

Em pontidão,

J.D. 32/K1, Trierarca-Mor Z23-A.

Espaço Exterior, 249º dia do ano 71 D.T.”

“Compus uma nova peça musical. Trata-se de uma Partita. Fiz enquanto observava Fobos e Deimos, nossas luas. Em eterno balé pelos céus, vi nelas nós dois, separados pelo pânico da perda e o pelo medo da solidão. A música busca essa percepção. Você a terá em breve.”

 

“Meu amor, não existem palavras capazes de expressar o meu afeto e a minha saudade por você em meio a essa vastidão cósmica. Tudo o que olho e percebo é silêncio e vazio, mesmo que grandiosamente belo e onipotente. Viajar entre as estrelas é, de certa forma, viajar no interior de nós mesmos, dado o recolhimento que se impõe sobre nossa própria intimidade. Por outro lado, saber que você segue pensando em mim é como um milagre, mais ainda por transformar esse nosso vínculo em música, algo que transcende qualquer barreira física; que essa música que brota de você nos resguarde e vele ao longo de todo esse tempo hostil. Nada haverá de separar-nos.”

“| Honoráveis Mirantes |

 

Conforme determinações da Câmara Alta, Codex 74921-RH, Diretriz 827-S33, registre-se:

IF.5826 – Júpiter surgiu diante de nós com toda a sua exuberância e grandeza épica, girando mais rápido do que qualquer outro planeta do nosso Sistema Solar. Sua impressionante atmosfera trafega em ritmos distintos nos pólos e no equador, dando por vezes a falsa ideia de um corpo composto por anéis flutuantes que se sobrepõem uns aos outros. A  lendária cor marrom-avermelhada que tanto encantou Galileu e predomina sobre todo o planeta é de um impacto profundo diante dos olhos, acentuado pelas multicoloridas faixas de nuvens magnéticas repletas de cristais de amônia que se entrelaçam com as reações químicas de fósforo e enxofre, enquanto colossais colunas de gás irrompem violentamente para além do topo da mais alta entre as mais altas das nuvens, numa cena de difícil descrição, dada sua magnitude maravilhosamente bela e fatal, como são fatais as faixas radioativas que circundam o planeta, algo que teremos que lidar com toda a nossa capacidade técnica e científica.

Em pontidão,

J.D. 32/K1, Trierarca-Mor Z23-A.

Espaço Exterior, 406º dia do ano 71 D.T.”

“Meu amor: não recebi novas mensagens suas, pelo que meu coração aperta-se imensamente. A consolar-me entre os astros apenas a música que você compôs, “Fobos e Deimos”, cujo encanto e melancolia transborda por sobre minha alma a ponto de afogá-la em saudades extremas. Em meio a tanto sentir próprio, preciso reter atenção ao primeiro desfecho dessa aventura: as próximas horas serão decisivas para nossa missão, cujo destino já nos é visível. Tenho certeza de que você ficaria fascinada com a beleza dessa lua gelada que é Europa, cuja superfície de gelo lisa ao extremo parece ter sido cuidadosamente limada pela mão de algum deus cósmico. Vencidos os perigosos percalços da viagem, devo juntar-me na boa aterrisagem da frota na superfície do satélite para, em seguida, dar início aos trabalhos de acomodação dessa leva heróica de pioneiros. Depois disso o retorno, que não será para Marte, mas para a tua vida, com todo o meu amor e afeição.”

“| Honoráveis Mirantes |

Conforme determinações da Câmara Alta, Codex 74921-RH, Diretriz 827-S33, registre-se:

IF.7249 – Contornamos a impactante Ganimedes, maior lua do Sistema Solar. A passagem pelo satélite gigante ocasionou razoável interferência em nossos sistemas, possivelmente potencializada pelo campo magnético de Júpiter, cada vez mais próximo e feroz. Agora temos, diante de nós, a forma perfeitamente esférica de Europa, nosso destino final. As próximas horas serão decisivas.

Em pontidão,

J.D. 32/K1, Trierarca-Mor Z23-A.

Espaço Exterior, 402º dia do ano 71 D.T.”

 

Duarte Dias

Duarte Dias

Cineasta, roteirista, curador, fotógrafo, cantor e compositor, Duarte Dias foi premiado em vários festivais de música no Ceará, tendo lançado seu primeiro álbum, "Jardim do Invento" (https://goo.gl/Ha3mZh), em fevereiro de 2019. Com premiações em festivais de cinema no Brasil e no exterior, ocupa a cadeira de n° 36 da Academia Cearense de Cinema. Idealizador e diretor geral do FestFilmes - Festival do Audiovisual Luso Afro Brasileiro, atualmente desempenha as funções de programador e curador do cinema do Cineteatro São Luiz e de Coordenador de Política Audiovisual da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará.

Mais do autor

3 comentários

  1. Renato

    Renato

    Parabéns pelo texto, Duarte! Incrível criatividade, sensibilidade e complexidade. Fez me lembrar de Frank Herbert e Arthur C. Clarke…
    A indicação musical também é preciosa, me remetendo a Domenico Scarlatti… música maravilhosa! Obrigado pelo texto é pela referência!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.