Para o bem de todos e felicidade geral, o Banco Central é imexível, por Jana

O sistema bancário em qualquer lugar do mundo, seja o país desenvolvido ou não, é o elemento mais importante para a vitalidade da economia. Nesse contexto, dentro do sistema, o banco central é a peça essencial. A ele cabe regular toda a estrutura e operação financeira, a ele cabe garantir a solidez das instituições que recebem depósitos populares, a ele cabe ora estimular, ora frear o volume de empréstimos, a ele cabe dizer se a economia vai andar ligeiro, devagar ou parar. Para isso, ele dispõe dos dois instrumentos que afetam todas as pessoas, todas as empresas e todos os negócios: a taxa de juros e a taxa de câmbio.

No Brasil, o Banco Central tem tido um comportamento exemplar ao longo de décadas. Austero na política de manipulação das taxas de juros, o BC não tem permitido que o trem descarrilhe e a inflação volte com força. Manter as taxas de juros para os títulos públicos elevada, em níveis reais expressivos, é a prova provada dessa austeridade. O país tem pouca credibilidade e a autoridade monetária ;precisa compensar isso para manter a liquidez do sistema e o fluxo de financiamento do Tesouro, sempre deficitário, sempre gastador. E, quanto ao câmbio, a amplitude das oscilações confirma o pleno acerto da gestão das reservas externas monumentais.

O mercado todo está satisfeito com o desempenho do BC, a dobradinha Ilan Goldfajn – Henrique Meirelles é uma espécie de “dream team” e aconteça o que acontecer na política, eles devem ser mantidos, apoiados e prestigiados, para o bem de todos e felicidade geral.

Numa palavra, o Banco Central é intocável, no melhor e mais amplo sentido da palavra.

Jana

Janete Nassi Freitas, nascida em 1966, fez curso superior de Comunicação, é expert em Administração, trabalhou como executiva de vendas e agora faz consultoria para pequenas e médias empresas, teve atuação em grêmios escolares quando jovem, é avessa a redes sociais embora use a internet, é sobrinha e neta de dois vereadores, mas jamais engajou-se ou sequer chegou a filiar-se a um partido, mas diz adorar um bom debate político. Declara-se uma pessoa “de centro”. Nunca exerceu qualquer função em jornalismo, não tem o diploma nem o registro profissional. Assina todos os textos e inserções na internet como “Jana”.

Mais do autor

1 comentário

  1. Claudio

    Essa tal de Jana quer pegar o lugar da Mirian Porcão, não é possível, todo “análise” dessa fulana é em defesa do sistema financeiro, mais uma que deve receber jabá para defender o BC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.