Natureza, por Ian Fermon

Depois que aparece o sol

Por detrás duma colina

Desperta o potro selvagem

Que dormiu numa campina

Levando gotas de orvalho

Nos pelos negros da crina.

O clarão do raio corta

De noite o escuro véu

Parece até uma lanterna

Brilhando no meio do céu

Brilhante tal como as penas

Das asas de um xexéu.

Um amarelo sorriso

Estampando a noite nua

Espalhando uma luz fraca

Para iluminar a rua

Sem estrelas, poucas nuvens

Somente a face da lua.

Num botão que desabrocha

Na rama perto do cume

Uma abelha se embriaga

Sentindo o doce perfume

Seu corpo da cor de mel

Listras da cor de betume.

Ian Fermon

Ian Fermon

16 anos, estudante do Ensino Médio

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.