INCONFIDÊNCIA DA BARRA DO CEARÁ

Para Reginaldo da Silva Domingos, Metafísico chamado, e os seus,
Para Rafael Caldas Moreira, em desertos o Chacal,
Para Loreto e Marlon, nos oceanos e fora deles, ahoy,
Pois que mesmo no asfalto é oceano a vida,
E vale nos aléns a profecia do Conselheiro

Deus me livre de um instinto gratuito de vingança
Que me esqueça e negue a justiça de verdade
Que se encontra em mãos muito pequenas
E mesmo na indecisão de quem tem olhos abertos.
Livrai-me, Deus, de querer apenas gritar
O desejo inconformado porque portas se fecharam
Se as portas mesmas, Deus, tanto abrem quanto fecham.
Que o abraço se negue porque veio a palavra errada.
Que o abraço se negue porque já não há palavra.
Carlos, conforma-te com mil amanhãs de não
(Nunca mais irás beijar nem mesmo o tempo)
E aceita a própria culpa setenta vezes sete
Como quem setenta vezes sete perdoa e aceita.
Se não te conformas, pedra, ao menos cala,
Feito o ferro calado das desgastadas Minas.
Que ninguém nunca vingará e da qual,
Quem sabe, o melhor será fugir, mas,
Carlos, ai de nós, para onde?

Airton Uchoa

Escritor, leitor e sobrevivente.

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.