Heitor Férrer (PDT) diz que governador não pode “dar de mãos beijadas” o Porto do Pecém

A dificuldade do país em sair da crise econômica e o déficit público nas contas públicas, são apontadas por especialistas como fatores que poderão trazer de volta uma prática neoliberal, a transferência de empresas do Estado para a iniciativa privada.

Nesse sentido, o Governador do Estado do Ceará, Camilo Santana, decidiu abraçar a linha adotada pelo Governo Federal (concessões)e transferir para a iniciativa privada a responsabilidade pela operação de determinados serviços, além de investimentos em ampliação e construção de projetos estruturantes, entre eles, o Porto do Pecém.

Para o deputado Heitor Férrer (PDT), a prioridade do Estado tem que ser com educação, saúde e segurança. Contrário à decisão do governador, ele sugeriu as parcerias público-privadas (PPPs) para financiar outros tipos de equipamentos.

“O Porto do Pecém foi uma obra caríssima feita com dinheiro público. Não é justo que o Estado ceda à iniciativa privada de mão beijada. Que a atividade seja desenvolvida pela iniciativa privada, até podemos concordar, desde que o Estado tenha o ressarcimento de tudo o que foi aplicado naquele equipamento. Se assim for, o Estado pode se livrar de alguns equipamentos”, frisou Heitor Férrer.

Ele comentou ainda que os deputados “precisam ficar permanentemente em observação para que não haja prejuízo ao bolso do contribuinte, que foi quem tudo pagou para a construção desses equipamentos”, concluiu o parlamentar.

Franzé de Sousa

Repórter Fotográfico/Videomaker, colaborador do Segunda Opinião.