Declaração de Voto – Voto em Fernando Haddad, por Álder Teixeira

Atendendo a uma curiosa provocação da editoria de política do Segunda Opinião, materializo na coluna de hoje, quarta-feira 5 de setembro de 2018, minha declaração convicta de voto para presidente da República em 7 de outubro. Antes, por razões que presumo óbvias, devo dizer que a minha vontade, frustrada pelos artifícios mais despudorados levados a efeito pelo Judiciário brasileiro, conluiado com parte expressiva da perversa elite empresarial e do Congresso Nacional, era votar em Luiz Inácio Lula da Silva, a exemplo dos 40% dos eleitores que o elegeriam em primeiro turno.

Afastada a possibilidade de fazê-lo, por força da desfaçatez, do autoritarismo, do atraso e do cabotinismo que impera no cenário político do país, votarei em Fernando Haddad, pelas razões que exponho nos tópicos abaixo:

  1. Porque tenho memória para recordar os avanços sociais verificados durante os governos do Partido dos Trabalhadores, a exemplo dos programas Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Luz para Todos, Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos, ProUni, entre tantos outros;
  2. Porque tenho memória para recordar a queda nos índices de violência no país, o sorriso nos rosto das crianças, dos jovens, dos trabalhadores e dos idosos nesses muitos anos;
  3. Porque tenho memória para recordar como se vestiam e calçavam os brasileiros menos aquinhoados durante esses 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores, como se divertiam, como frequentavam os shoppings, as praias, os estádios, a cujos lugares iam, muitas vezes, dirigindo seus próprios carros, como aos aeroportos em que recepcionavam seus familiares distantes ou iam ao seu encontro ou a um simples passeio com seus filhos etc.;
  4. Porque tenho memória para recordar como foram por terra, nesses muitos anos de PT, os índices de desemprego, a falta de perspectiva para os pequenos e médios empresários, o número dos que sonhavam em montar seus próprios negócios e não encontravam nos programas de governos anteriores o incentivo de que precisavam, os juros bancários acessíveis, a oferta gratuita de assistência técnica qualificada etc.;
  5. Porque tenho memória para recordar a satisfação dos brasileiros, nomeadamente os menos favorecidos, vítimas históricas do talvez ou do quem sabe, com a sua qualidade de vida, e o otimismo com que enxergavam o porvir, orgulhosos de um país respeitado lá fora;
  6. Porque tenho olhos para ver a corrupção desenfreada e a inexistência de punição para os que integram o governo golpista de Miguel Temer e seus apaniguados, o alto empresariado que financiou o golpe, bem como os partidos à direita do espectro político, a exemplo do PSDB;
  7. Porque tenho olhos para ver o que fez e faz o juiz Sérgio Moro a fim de servir, desavergonhadamente, à elite branca e financeira do país, e os serviços que presta de forma inconfessável ao império do Capitalismo internacional;
  8. Porque tenho olhos para ver os riscos concretos de retrocesso político, o uso criminoso de mecanismos os mais diversos contra a Democracia e o Estado de Direito no Brasil;
  9. Porque tenho olhos para ver e não comungo com a homofobia, a misoginia, o racismo, a intolerância à diversidade racial, religiosa e cultural, e a prática da violência, mesmo sob o pretexto impudente de combater o crime;
  10. E, finalmente, por que tenho olhos para ver que Luiz Inácio Lula da Silva é um preso político, e que inexistem provas, pálidas que sejam, para ter sido condenado em qualquer instância, com a única e odienta motivação de ser afastado do processo sucessório presidencial, na contramão do que é o desejo crescente da gigantesca maioria dos brasileiros.
Por essas razões, e por reconhecer sua qualidade humana, intelectual e política, ao lado da comprovada competência como Ministro da Educação, durante sete anos, e como prefeito de São Paulo, é que torno público o meu voto para presidente em 2018: voto em Fernando Haddad.
Alder Teixeira

Alder Teixeira

Professor titular aposentado da UECE e do IFCE nas disciplinas de História da Arte, Estética do Cinema, Comunicação e Linguagem nas Artes Visuais, Teoria da Literatura e Análise do Texto Dramático. Especialista em Literatura Brasileira, Mestre em Letras e Doutor em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais. É autor, entre outros, dos livros Do Amor e Outros Poemas, Do Amor e Outras Crônicas, Componentes Dramáticos da Poética de Carlos Drummond de Andrade, A Hora do Lobo: Estratégias Narrativas na Filmografia de Ingmar Bergman e Guia da Prosa de Ficção Brasileira. Escreve crônicas e artigos de crítica cinematográfica

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *