O presidente louco, por Alder Teixeira

Golyádkin começou a experimentar duas sensações: uma, de uma felicidade fora do comum, a outra, a de que não conseguia mais se aguentar nas pernas. (Dostoiévski, O Duplo)

 

É bom “já ir se acostumando”, mas a sensação de desordem que a chamada equipe de transição do presidente eleito, o próprio à frente,  vem causando, é inacreditável. A habilidade no trato de questões importantes, se é lícita a comparação, é a mesma de um macaco embriagado numa loja de cristais.

 

A menos de dois meses da posse, a dificuldade de Bolsonaro para lidar com a linguagem escancara o perfil do que será seu governo: um diz/desdiz, um faz/desfaz que tendem a colocar o país numa situação de indefinição perante o mundo, cujos prejuízos serão impensáveis nos mais diferentes setores.

 

Primeiro afirma que acabará o Ministério do Trabalho, depois aponta para uma divisão da pasta em três frentes, mas não diz quais; fala que fundirá num só os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, mas já se curvou à grita de ambientalistas e até mesmo dos grandes empresários do setor de agronegócios, receosos da repercussão indesejável que a medida teria lá fora.

 

Anteontem, em entrevista, afirmou que o Ministério da Educação absorverá o Ministério da Cultura, mas, agora, acena com a possibilidade de que ambos sejam incorporados à Ciência e Tecnologia…

 

Enquanto isso, o todo-poderoso Paulo Guedes mal recomenda uma “prensa” no Congresso, tem de engolir a aprovação do aumento do Judiciário com uma projeção de gastos em torno dos 5 bilhões a mais a partir do próximo ano. Engraçado, não fosse um desastre.

 

No início da semana, o presidente eleito decidiu que o número de ministérios seria reduzido para 15, mas, hoje, sexta-feira 9, admite que serão 18 pastas; e o famigerado MDIC (Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior) pertencerá mesmo à Economia, como anunciado antes? Tente-se compreender…

 

Em tempo: a CGU, que há cinco dias faria parte do superministério da Justiça confiado a Sergio Moro, agora terá status de ministério e “seguirá com vida própria” segundo o próprio presidente eleito. É pouco? Pois veja, o tão festejado ministro da Defesa, General Heleno, desce nesta quarta um degrau, pois deverá assumir o Gabinete de Segurança Institucional.

 

O mais grave é que, sem precedentes na História, o Brasil abre o flanco para o olhar ameaçador do terrorismo muçulmano com o desnecessário anúncio de que transferiria a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, o que nada traz de benéfico para o país e tão-somente constitui uma demonstração oficial de que se alinhará mesmo aos interesses norte-americanos, custe o que custar. Mas, tranquilizemo-nos, o assunto, diz agora Bolsonaro, não está resolvido.

 

Para além de dar provas irrecusáveis de que Jair Bolsonaro é mesmo despreparado para dirigir o país, a bagunça faz-me lembrar daquele personagem inesquecível de Dostoiévski no romance O Duplo.Mergulhado em dilemas, um pobre homem descobre que a realidade é bem diferente do sonho, e que a imagem que desenhou de si mesmo não tem correspondente nas suas possibilidades humanas.

 

No romance, Golyádkin (é como se chama a personagem) tem duas vozes, a dele e do seu duplo… razão por que se vê dividido entre a fantasia e a realidade, a ambição e a humildade, os desejos e as frustrações. O resultado disso, claro, pode ser a loucura.

 

 

 

 

 

Alder Teixeira

Alder Teixeira

Professor titular aposentado da UECE e do IFCE nas disciplinas de História da Arte, Estética do Cinema, Comunicação e Linguagem nas Artes Visuais, Teoria da Literatura e Análise do Texto Dramático. Especialista em Literatura Brasileira, Mestre em Letras e Doutor em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais. É autor, entre outros, dos livros Do Amor e Outros Poemas, Do Amor e Outras Crônicas, Componentes Dramáticos da Poética de Carlos Drummond de Andrade, A Hora do Lobo: Estratégias Narrativas na Filmografia de Ingmar Bergman e Guia da Prosa de Ficção Brasileira. Escreve crônicas e artigos de crítica cinematográfica

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.