CARTA AOS INTROSPECTIVOS

 

 

Domingo. É noite. A semana termina pra poder começar de novo. Sim. Porque pra mim o último dia da semana é o domingo. Não pelo que acredito, mas pelo que sinto – não seriam a mesma coisa? Nem sempre. São tempos em que todo o povo está absorto de alguma forma. Uns para fora, outros para dentro. Uns para falar, outros para calar. Uns para serem desnecessários, outros para serem cirúrgicos. E assim, pessoas sortudas como eu, vamos vivendo.

Tocava por aqui o “Mistério do Planeta” do Novos Baianos, só na voz do Moraes. Saudade dele e do que ele deixou. Saudade dos duetos, um deles com Geraldo Azevedo, que tanto rendeu e tanto brilhou. Saudade também de ouvir essa música nos cantos fortalezenses, mas é que a lei natural dos encontros prefere que nos sintonizamos de longe, por agora. Aí entram os Zooms e os Meets da vida. Necessários, benéficos, incríveis! O que seria de nós sem eles?! Temos que pensar mais nos valores…

E a semana? Esse conjunto de horas que cada vez mais tem passado devagar e sempre. Que tem tido uns descompassos insones por esses dias em que não nos sentíamos em esperança; ainda precisamos muito falar sobre isso. Mais ainda sobre quem nos governa, se é que governa… se é que sabe que governa! Pra mim não governa: fala pra poucos, vê como poucos, sente do seu jeito. Não! Eu não estou falando de um gênio introvertido com dificuldades de expressão e empatia. Estou falando dele. Você sabe.

 Pensar mais no agora. Lembrar que o futuro não existe e o passado é pra ser enfrentado, assim como o presente. Temos que antes nos resolver consigo mesmos pra depois resolver o que vem pela frente. Aventura constante. Praticar yoga, aprender francês, tocar um instrumento? Precisa não. Mantenha-se vivo e lute pra manter o máximo de pessoas assim que eu te declaro um herói. Talvez não valha tanto, mas vale algo. Vale o que você quiser.\

Saber que o caminho, ele não existe. É aquilo que a gente deixa. É aquilo que somos. “Caminhante são tuas pegadas, o caminho e nada mais. Não há caminho, caminho se faz ao caminhar.”

Sinta meu abraço. Vamos em frente.

David Augusto

David Augusto

Me conheço David e me reconheço todo dia. Sou estudante universitário, me viro por opistótonos e sou leitor-todo-dia. Acredito na essência do que vem e, sobretudo, no que o tempo e eu somos capazes. Tenho na mente o sê todo em tudo e em cada e no coração um quê de eternidade. Escrevo porque é o porquê.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.