BRANCA – Duarte Dias

No branco branco dessa tela branca
teu rosto claro luz azul do dia
Sagrado som teu sonho em vão seria
Se resguardado na imagem franca

Teu belo corpo de figura tanta
Formosa curva de tão raras cores
Como encantada em meio a mil rumores
Jamais traria o medo que espanta

E assim como quem não cabe via
No ato falho do farol que havia
Tua sombra rubra a dançar na noite

Eu mero traço de fogoso riso
Me arrisco a ser bem mais do que sujeito
Imensidão na borda do teu leito
Preciso fosse se fosse preciso

Porém prostrado em tão baixo relevo
Suspiro aflito por teus olhos densos
E prisioneiro em riscos tão intensos
Me esvazio posto não me atrevo

E assim como quem não cabe via
No ato falho do farol que havia
Tua sombra rubra a dançar na noite

Duarte Dias

Duarte Dias

Cineasta, roteirista, curador, fotógrafo, cantor e compositor, Duarte Dias foi premiado em vários festivais de música no Ceará, tendo lançado seu primeiro álbum, "Jardim do Invento" (https://goo.gl/Ha3mZh), em fevereiro de 2019. Com premiações em festivais de cinema no Brasil e no exterior, ocupa a cadeira de n° 36 da Academia Cearense de Cinema. Idealizador e diretor geral do FestFilmes - Festival do Audiovisual Luso Afro Brasileiro, atualmente desempenha as funções de programador e curador do cinema do Cineteatro São Luiz e de Coordenador de Política Audiovisual da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará.

Mais do autor

1 comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.