A Terra Onde Nasci, por DIMAS MACEDO

Na minha condição de escritor, sempre permaneci fiel ao meu sonho, e Lavras da Mangabeira, a terra onde nasci, nunca me abandonou com as suas belezas, naturais e artificiais.

Sinto-me em desconforto quando, anualmente, não posso contemplar o Boqueirão ou rever os lugares onde passei a infância, pois, como já afirmou Francisco Carvalho: “Lavras é um mito que o Salgado banha / com seu rumor de pífaro e realejo”, mostrando-nos, assim, esse grande poeta cearense, toda a ressonância da velha Princesa do Salgado.

Em 13 de dezembro de 2010, quando me encontrava como visitante, na Universidade de Le Havre, escrevi, na minha agenda de viagens, que “reencontrei Lavras da Mangabeira em todas as cidades pelas quais passei em vários pontos da Europa: assim em Londres como em Bruges, Paris, Amsterdam, Bruxelas ou Colônia”.

E acrescentei: “é como se o mapa-múndi fosse povoado de saudades e lembranças que se gravam nos recessos do sonho. É como se o Reno, o Tâmisa e o Sena refletissem a brisa serena do Salgado, o mais doce de todos os rios que os meus olhos não se cansam de ver”.

É com estas palavras que desejo saudar os estudantes do Ensino Fundamental da minha terra, lembrando, com o coração cheio de saudades, dos meus tempos de aluno do Grupo Escolar Filgueiras Lima e do Colégio São Vicente Ferrer.

Destaco a qualidade dos textos, em prosa e em verso, reunidos no livro Lavras: o Lugar Onde eu Vivo, escrito por esses estudantes em 2018, louvando a dedicação dos mestres que se empenharam na realização desse projeto.

O Magistério é um sacerdócio e uma Missão. Quem descobre essa vocação e a ela se entrega, sabe o quanto isso é uma Graça e um motivo para viver a vida de forma ainda mais feliz.

Orgulho-me também de ser Professor, função que exerço há quarenta anos. Lembro-me, perfeitamente, como tudo começou, em 1977, e as escolas e universidades pelas quais passei, no Brasil e no Exterior.

Mas o que conta mesmo, para a minha visão de Professor, são os alunos, são os estudantes envolvidos com as suas atividades e com as suas esperanças e crenças num futuro melhor.

Nos poemas e textos coligidos percebi um amor bastante carinhoso pela minha terra, especialmente, pelo Rio Salgado; e atentei que alguns alunos mostraram o seu interesse pela trajetória de lavrenses, como José Telles, Sinhá D’Amora e Maria Lina Machado, destacando-se a última como professora de expressão naquele Município.

Aos participantes do projeto, apresento os meus parabéns. E não posso deixar de dizer que, nesse livro, se guarda um esforço incomum. Sinto-me feliz com o convite da Professora Lionete Tomaz para apresentar esse conjunto de escritos e de lições de amor à terra que nos viu nascer.

Dimas Macedo

Dimas Macedo

Poeta, jurista e crítico literário. Professor da UFC.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.