A POLÍTICA ADJETIVADA, por Rui Martinho

O debate político resvalou para a adjetivação. Fascista, comunista, radical, extremista, direita, esquerda, reacionário, progressista, estúpido, preconceituoso, ignorante, machista, homofóbico e tantas outras formas de adjetivação de sentido agressivo dominaram todos os espaços da política. Até a produção intelectual foi afetada. Embora continue sendo recomendado, nos manuais de metodologia, que se evite a superficialidade do uso de adjetivos, as dissertações e teses acadêmica abrigam cada vez mais qualificativos como machista e homofóbico. A tentativa de suprir a falta de conteúdo substantivo por qualificações tem o vezo de concluir antecipadamente, dando as conclusões do autor como fato público e notório, apto a dispensar fundamentação fática e análise. Retira do leitor a prerrogativa da formular seu próprio juízo. É conduta de pregador, talvez ligada atavicammente ao messiânico da educação jesuítica, que era proselitista, com forte carga maniqueísta.

Isso tem sido combatido quando praticado por gente simples nas redes sociais. Os meios tradicionais de comunicação, todavia, praticam em larga escala a adjetivação, juntamente com o uso de advérbios de intensidade. O adjetivo “direita” vem sempre acompanhado do advébio de intensidade “extrema”. Jornalistas, muitos dos quais, por força das limitações financeiras das empresas de comunicação, têm a ingrata missão de ser especialista em tudo, usam e abusam da indução por exclusão, que consiste em analisar, no curso de um debate, uma ou mais possibilidades e, após excluí-las, dizer que então um pensamento ou um fato “só pode” levar a um resultado ou ser típico de um adjetivo, uma outra opção que é então apresentada. Esta passa a ser dada como confirmada ou infirmada, como o caso.

Trata-se da mais equivocada forma de indução. O caminho do sofisma e do erro fica assim escancarado, pois as possibilidades de raciocínio não podem ser dadas como exauridas após a apresentação de algumas delas, principalmente quando a enumeração do suposto conjunto de todas as opções é feita por um “tudólogo” que nem sempre conhece a semântica do léxico em exame.

Adjetivos e indução por exclusão, além da inconsistência lógica, da nítida carência de base factual e da tendência ao sofisma, facilmente introduzem a agressividade, o desrespeito e a agressão. Assim desmentem a suposta superioridade moral e intelectual dos que se presumem esclarecidos. O laicismo também comprometido pelo uso da convicção dogmática como fundamento de validade do raciocínio. A passionalidade não é surpreendente em política. Mas tende a comprometer a validação do discurso. Também tende a promover a agressividade. As partes dos conflitos geralmente se acusam mutuamente de iniciar as ofensas. Mas uma forma de saber quem é mais agressivo é observar quem intimida mais a outra parte. A diferença em os dados obtidos em pesquisas eleitorais e os resulttados verificados nas urnas têm sido atribuídas ao “voto envergonhado”. Não seria este um voto intimidado, ao invés de envergonhado? É razoável pensar que sim. Quem teme declarar o voto? Este é o intimidado, é o que não intimida o outro. Quem não teme declarar o voto? Este é o mais agressivo, é o que intimida o outro. O mais agressivo geralmente está armado de convicção, achando-se esclarecido, amparado por algum autor renomado que propõe alguma reengenharia social e antropólogica. Tal engenharia, porém, não tem o arrimo de uma epistemologia apta a fazer previsão de resultados, como fazem astrônomos. Representam muito mais ideias românticas de quem pisa nos astros distraído, fracassadas em todas as experiências históricas.

Rui Martinho

Rui Martinho

Doutor em História, mestre em Sociologia, professor e advogado.

Mais do autor