Sem dias de governo, por LUANA MONTEIRO

Ouvi hoje no rádio uma notícia engraçada. Falava da comemoração de Bolsonaro e sua equipe por cem dias de governo. A nota alertava para o fato de que as trinta e cinco metas divulgadas no início do ano pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, haviam sido cumpridas.

O porta voz do evento afirmou que com muito esforço as tais metas foram alcançadas, mas que era necessário um esforço ainda maior para manter o projeto do governo.

O Excelentíssimo presidente, com recorde de seis minutos de discurso não decepciona, e fala por longos cinco minutos sobre a bem feitoria de ter “cumprido” (palavra aqui utilizada com ressalvas) trinta e cinco metas estipuladas para o início de seu governo. Afirma: “Estamos buscando alavancar a nossa economia com geração de emprego e renda, desburocratização do Estado, aperfeiçoamento do pacto federativo e austeridade dos gastos públicos”. (Exame).

O interessante, apesar de toda a solenidade, as comemorações e a cobertura jornalística, é o fato de que somente algumas das tais metas foram postas em curso e tratam exatamente daquilo que menos gera impacto positivo para a vida dos cidadãos brasileiros comuns.

Vale relembrar algumas: o decreto que facilita a posse de armas; o pacote anticrime que pretende alterações em 14 leis e visa tornar isento de culpa o policial que matar em serviço; a retirada do brasão do Mercosul dos passaportes e “incentivo ao amor à pátria” com a volta do brasão da república no documento; disseminação de ética e cidadania nas salas de aula – a gente lembra bem dos incentivos do governo para que os alunos filmassem o momento da aula expondo os educadores; as privatizações dos transportes, leilões de aeroportos e terminais portuários; a desestabilização do fomento das pesquisas realizadas nas universidades públicas; sem contar também com a revisão dos critérios para o lançamento de editais que visam a contratação de funcionários públicos.

Ufa! Realmente foi muita ação em cem dias de governo. Acredito que se fará necessário alguns anos calculando o tamanho do prejuízo já iniciado e que ainda está em curso no nosso país. Estamos entregues a uma equipe de governo desestabilizada que tem em seu bojo, entre substituições e permanências, loucos, fanáticos, aproveitadores e despreparados. Apertem os cintos, estamos somente nos cem primeiros dias!

Luana Monteiro

Luana Monteiro

Cientista social, mestre em Sociologia (UECE) e pesquisadora.

Mais do autor