O QUE É, EM ESSÊNCIA , UMA NAÇÃO?

A Nação não é a expressão de uma raça. É uma pluralidade étnica. São as pessoas que compartilham um mesmo passado e dele fazem parte, são os que dividem o presente, os desafios e as dificuldades de uma vida em comum.

São os que estão associados, apesar das diferenças culturais e ideológicas, na construção do futuro. Os que são dotados de sentimento e de um instinto de “nacionalidade”, de “brasilidade”, segundo os nossos anseios. São os habitantes de um mesmo lugar ou que tenham escolhido como pátria a terra na qual deram nascimento a seus descendentes. São as pessoas, cidadãos prestantes, que falam a mesma língua e dividem entre si a educação e os valores ancestrais.

A Nação, o território, a língua e o povo precedem o Estado, o sistema político e os instrumentos da governabilidade, embora não limitem os atributos das instituições, mas definem a legitimidade do poder político, as leis e o exercício da autoridade.

O Estado autoritário é a negação dos princípios que fundamentam a Nação e de tudo o que caracteriza a celebração da liberdade nesta Construção civilizatória.

Paulo Elpídio de Menezes Neto

Cientista político, exerceu o magistério na Universidade Federal do Ceará e participou da fundação da Faculdade de Ciências Sociais e Filosofia, em 1968, sendo o seu primeiro diretor. Foi pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação e reitor da UFC, no período de 1979/83. Exerceu os cargos de secretário da Educação Superior do Ministério da Educação, secretário da Educação do Estado do Ceará, secretário Nacional de Educação Básica e diretor do FNDE, do Ministério da Educação. Foi, por duas vezes, professor visitante da Universidade de Colônia, na Alemanha. É membro da Academia Brasileira de Educação. Tem vários livros publicados.