Na Hora do Almoço – Fátima Teles

Ele viveu toda sua adolescência no interior, e como menino sonhador, vivia sonhando em morar na Capital e conhecer o mundo. Os pés no chão serviam apenas para caminhar, mas o pensamento o fazia volitar, e nele não cabia nem a metade de suas fantasias e desejos. Um belo dia ele cansou e foi embora, sem parentes importantes e vindo do interior, abraçou a cidade alencarina como se fosse sua. Viveu a boemia e bebeu da vida o que a alma desejava, e não o que a cabeça pensava.

Baladas e mais baladas, e muito trabalho para pagar os boletos que se alimentam e dormem com quem fica grande.  A hora do almoço era a hora de calcular os gastos e jogar conversa fora com os colegas de trabalho. Os botecos de comida trivial eram os seus favoritos, pois traziam a lembrança do aconchego de casa, do arroz fervendo na panela, do feijão querendo saltitar, e isso lhe causava nostalgia. Era na hora do almoço que a saudade apertava. Porém, o sonho de vencer era maior, e a saudade devia ser guardada onde nunca será esquecida: no coração.

Foi na hora do almoço de um dia ensolarado, e ao gosto de uma cerveja bem gelada, que ele decidiu entrar para a Universidade, e ali o sonho começava a conversar com a realidade. Cursou Administração. No entanto, ainda insatisfeito, refletiu sobre o prazer de comer e também de cozinhar. Sempre gostou de inventar lanches, guloseimas e salgados para si e para as visitas que apareciam nos finais de semana.

Um dia pegou a mochila,  passou num posto de gasolina e veio para o interior. Passou o final de semana vendo sua mãe na cozinha fazendo a culinária que lhe acompanhara uma parte da vida.

Voltou e foi para um festival de gastronomia. Ficou encantado e se reencontrou. De repente a sua vida mudou em segundos. QUANDO O UNIVERSO QUER É ASSIM. ELE ENCONTROU O GRANDE AMOR E FOI FAZER UM CURSO DE GASTRONOMIA EM SÃO PAULO.

O curso em São Paulo foi com um dos grandes nomes da gastronomia. Ele foi considerado um excelente aluno, chegando a ser finalista do concurso CHEF KENWOOD, realizado no Centro Universitário SENAC. Estagiou nos restaurantes DOM E DALVA E DITO do renomado CHEF ALEX ATALA.

Voltou para Fortaleza e não esqueceu as suas origens. Tanto que criou um prato para a hora do almoço chamado de BAIÃO DE TODOS, uma nova versão do velho baião de dois, conhecido da mesa de todos os nordestinos.

O “caboclo danado” ficou tão conhecido que foi chamado para fazer parte dos jurados do concurso “Comida di Buteco  2017″, promovido pelo Comida di Buteco , apoiado pelo Sistema Verdes Mares de Comunicação.

Era na hora do almoço que ele recebia as inspirações do universo. Era na hora do almoço que ele sonhava. A cozinha era para ele uma terapia. Na hora do almoço, um baião de todos com o Chef Márcio Araújo na Fortaleza bela e na Lisboa de Fernando Pessoa, onde ele agora faz o mestrado em Gastronomia para aperfeiçoar o seu baião para a hora do almoço.

 

 

 

Maria de Fátima Araújo Teles

Maria de Fátima Araújo Teles

Historiadora, Assistente Social,Pedagoga Especialista em Direitos Humanos e Psicopedagogia Institucional Professora Formadora da Área de Ciências Humanas do Ensino Fundamental II da Secretaria Municipal de Educação de Brejo Santo Escritora e Poeta Membro da Academia de Letras do Brasil, Secção Ceará

Mais do autor - Website

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.