Marielle, olhai por nós! de Rosana Medeiros

Hoje a vida quis dizer que conseguia caminhar normalmente. As pessoas passavam nas ruas e em seus olhares existia um certo terror. Terror porque o chão do país não está mais debaixo dos nossos pés. A legalidade, que já estava abalada desde o impeachment, foi atingida no rosto, com 4  tiros certeiros.

Uma brasileira morreu, mas espera ai… essa brasileira era negra, ela também era lésbica, ela morava na comunidade, ela foi mãe solteira, ela conseguiu se eleger pelo partido SOCIALISTA como a 5° mais votada no Rio de Janeiro.
ELA CONSEGUIU.

Ela morava onde existem milhões de mulheres iguais a ela que todos os dias conseguem resistir a tudo. Mulheres de aço que não resistem a balas, seja de quem for, de marido, bandido, melicia ou exercito.

Mulheres que resistem e tentam criar seus filhos todos os dias, vestem suas responsabilidades e ainda conseguem amar e defender quem as condena, o Brasil.

Ela era um alvo perfeito, apesar de ser de aço, o Brasil não reconhecia mais essa sua filha que cresceu na margem. A trajetória de aço escondia um coração enorme de carne e sangue e uma mente que portava toda a população pobre do Rio.

Alguém apertou o gatilho automático e conseguiu acertar esse alvo. Alguém que graças a internet, hoje sabe o que representava a Marielle.

Hoje o Brasil ainda chora por essa filha bastarda que cresceu fora do sistema, mas que foi tão alto quanto um Ícaro: Ícaro mulher, mãe solteira, lésbica e favelada .

Rosana Medeiros

Rosana Medeiros

Publicitária, estudante de marketing político e feminista, que acredita nas pessoas e na educação como ferramenta de transformação.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.