A Lava-jato declarou uma guerra midiológica contra a democracia – como devemos enfrentá-la? por Bajonas Teixeira

A Lava Jato e o impeachment foram as estratégias adotadas pelas elites brasileiras após quatro grandes derrotas: a primeira eleição de Lula em 2002, a segunda, em 2006, a eleição de Dilma em 2010, e sua reeleição em 2014. Derrotadas na luta eleitoral, e com remotas perspectivas futuras de chances de volta ao poder, as elites optaram por distorcer a justiça para fazer dela uma arma política. Contra o grande voto – popular, democrático, igualitário –, as elites impuseram o pequeno voto (no STF, no CNJ, na Câmara, no Senado), e as decisões monocráticas, do juiz Sérgio Moro. A Lava Jato é uma operação de guerra midiológica, que nada tem que ver com a justiça, embora se revista com os ritos, com a linguagem, e manipule o aparato institucional criado pela democracia brasileira. Em sua essência, ela é um método de guerra político-midiática.

Cada uma das ações da Lava Jato – a condução coercitiva em 04 de março; a divulgação dos áudios da conversa com Dilma em 16 de março;  a aceitação da denúncia que transformou Lula em réu pela primeira vez, por obstruir a justiça, em 30 de julho; o bloqueio de sua nomeação como ministro da Casa Civil, por Gilmar Mendes no STF, em 18 de março; a denúncia pelos procuradores de Curitiba do MPF, em 14 de setembro, e a pronta aceitação dessa denuncia por Moro, em 20 de setembro –, são todas operações sem fundamento jurídico, ridículas e risíveis, que só se justificam como guerra midiológica dirigida a produzir a morte política do principal alvo da operação Lava Jato, o ex-presidente Lula.

A guerra midiológica visa também minar a capacidade de combate, de resistência e de iniciativa das forças populares. Aniquilar o ânimo de luta do inimigo sempre foi o alvo decisivo em toda estratégia de guerra. A guerra midiológica alcança a vitória se seus adversários se deixam arrastar pela prostração e a inércia, entregando os pontos. Um resultado disso foi depressão profunda que tomou conta de vastos segmentos de resistência ao golpe, no sábado e no domingo (17 e 18 de setembro), logo após a denúncia. E isso reflete um momento de fraqueza e falta de orientação os setores que estão comandando a resistência, uma vez que a denúncia era esperada há muito tempo e mais que anunciada. Não souberam preparar uma resposta imediata à altura.

Os atos contra Lula, incluindo sua transformação em réu pela segunda vez, ontem, dia 20, por Sérgio Moro, são escaramuças numa frente de combate. Uma guerra de desgaste, cuja finalidade é esvaziar politicamente a imagem de Lula através de atos que fustigam permanentemente o seu capital político e moral. É uma estratégia de cerco, assédio, e de estrangulamento. O contra-ataque deve ser feito nas ruas, com grandes manifestações, e de imediato, lembrando que nas vésperas da denúncia, o movimento de indignação vinha num crescendo e acumulando forças, chegando a levar 100 mil pessoas às ruas no dia 04 de setembro. Isso bem indica que não há qualquer motivo para desânimo nem depressão. Ao contrário, o acertado é realizar grandes demonstrações de repúdio à Lava Jato e desmascará-la cada vez mais. E, para compreender o acerto dessa estratégia basta observar isso: se Lula foi conduzido coercitivamente para depor no aeroporto de Congonhas, em 04 de março, e apenas denunciado em 14 de setembro, mais de seis meses depois, foi porque uma forte resistência nas ruas assustou os golpistas.

Agora é preciso multiplicar por 10 essas mobilizações. Além de estarem sendo aguardadas por todos que estão indignados com as últimas ações nefastas da Lava Jato, elas serão pedagógicas e vão mobilizar novos setores, que começam a compreender a natureza do golpe. Além disso, servirão para neutralizar a influência  da mídia e seu trabalho de produção de inércia. A luta atual é a do grande voto – no qual as elites não ganham -, contra o pequeno voto, em que a mídia facilmente adula ou ameaça os juízes e os convence a votar do jeito que elas, elites da mídia e do dinheiro, querem. Mas ao violentar o direito, quebrando a lógica jurídica, as elites expõe com muito descaramento a luta que travam para destruir a democracia. Essa exposição gera revolta e deixa claro que a Lava Jato é só um front avançado da guerra midiológica, como todos pudemos observar nos últimos dias. É preciso dar voz ao sentimento de indignação e revolta que as últimas investidas da Lava Jato acendeu em milhões de brasileiros.

(Texto originalmente publicado em www.ocafezinho.com)

Avatar

Convidado

Artigos enviados por autores convidados ao Segunda Opinião.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.