LADAINHA

Marinheiro que já naufragou em ilhas convidativas ao suicídio.

Marinheiro que já atravessou umas ondinhas médias, quebrou a quilha no mar da história.

Marinheiro astuto e ingênuo, já não se ilude ao canto de qualquer ilusão.

Parecem sereias, são morsas.

E cantam o mesmo canto sempre, sempre, já que desconhecem o significado do termo poesia.

Marinheiro esse, nem tapar ouvidos ou amarrar-se ao leme precisa, vislumbra bem mais que seus penhascos.

Pedro Henrique

Pedro Henrique

Mestre em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e Terapeuta Holístico em formação pelo espaço Ekobé.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.