GAME OVER

Não poderei mais fugir dela tenho que terminar as assets ninguém aguenta tanta chuva amanhã quem sabe havia certa esperança em trazer tudo de volta ela disse que voltaria logo fiquei pensando em qual história poderia contar não contei tudo corre o risco de se tornar uma cinematic esses personagens quem são esses personagens ela voltou ao amanhecer eu ainda não havia terminado o jogo entrei de cabeça na história  a casa tá fedendo muito virei o jogo ela saiu de novo não sei se exagerei na dosagem já no próximo estágio alimento a fé de que nada vai nos separar eu não sei resolver essa equação tenho que comer algo urgentemente continuo no jogo a vida segue imitando a arte não vale porra nenhuma diferente de qualquer coisa então que seja comum mesmo ela ligando pra dizer que está muito longe subo uma nova plataforma não tenho a menor ideia de qual engine usar os cabelos estão caindo faltou energia bug total esqueci de aguar as plantas dizer  o que nesse momento eu coloquei as roupas dela para lavar o jogo teve que ser reiniciado os adversários são desconhecidos devia ter comprado aquele livro um novo programador pode dar um jeito nessa merda a ordem é seguir em frente ela enviou um telegrama chega de madrugada dormi até mais tarde o remédio é esse fazer arte amor no jogo sorte no azar não sei mais o que é o caralho desse jogo não precisa trazer nada melhor que leve tudo amanhã pode ser um dia auspicioso tenho fé a tv anunciou um temporal a história se passa na idade média e no futuro não há tempo o jogo é para ser jogado no lixo depois de pago joguei as coisas dela que não apareceu na hora marcada quem sabe depois de amanhã não estarei mais aqui com fome o próximo oponente parece forte sou mais rápido que ela apareceu ruiva taquicardia aumentando não serei enganado dessa vez quando tudo parecia certo o jogo travou ninguém se mexia devia ter pego o ônibus naquele dia há um certo temor no ar o placar tá favorável ninguém sabe o que está ganhando com isso ela resolveu fazer um café mais de três anos andando pelas ruas da cidade atrás de pó estava no jogo confortavelmente disputando o prêmio desde o início não há conforto em disputar prêmios eu desisti de jogar faz tempo sem arte ou medo sem cor dinheiro para pagar por um agrado pedi um copo d´água não precisava nem de carinho bastava não falar nada não consigo concluir perdi minha framework tô fudido alguém tem um cigarro pra emprestar o café em cima da mesa esfriando os nervos saltando da pele eu tentava balbuciar alguma coisa juro que não sabia não servia para coisa alguma desconfiava disso ela recobrou a memória alguém trouxe de volta a carta dos correios naquela guerra não sobrou ninguém o gato da vizinha cagou na porta tenho um prazo a cumprir a porra desse jornal só tem notícia ruim eu não consigo apertar o botão todos ficaram estupefatos quando a lua surgiu ninguém foi eleito pra essa bodega ela resolveu voltar pra casa todos aqueles anos sem ver o sol tenho que caprichar nesse rigging não havia ninguém lá quando ela apertou a campainha não há mais tempo.

 

 

Duarte Dias

Duarte Dias

Cineasta, roteirista, curador, fotógrafo, cantor e compositor, Duarte Dias foi premiado em vários festivais de música no Ceará, tendo lançado seu primeiro álbum, "Jardim do Invento" (https://goo.gl/Ha3mZh), em fevereiro de 2019. Com premiações em festivais de cinema no Brasil e no exterior, ocupa a cadeira de n° 36 da Academia Cearense de Cinema. Idealizador e diretor geral do FestFilmes - Festival do Audiovisual Luso Afro Brasileiro, atualmente desempenha as funções de programador e curador do cinema do Cineteatro São Luiz e de Coordenador de Política Audiovisual da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.