FELIZES COMO PÁSSAROS FORA DA GAIOLA

Após quatorze meses aprisionados pelas correntes do bom senso, eu, 79 e Marluce, 77, fomos intimados a tomar o elevador e sair à rua para a comemoração surpresa das nossas Bodas de Ouro.

Bem na frente do condomínio, a voz afinada de Ludmila Amaral nos recepciona com o repertório da nossa preferência, sob os holofotes da TV Verdes Mares que fazia a cobertura da efeméride.

Fiquei emocionado, mas não tive tempo para chorar, pois fui acariciado pelo brilho dos olhos e os sorrisos do pequeno público presente, criando um ambiente tão acolhedor quanto um ventre materno.

Nossos filhos não se afastam de nós, mesmo no isolamento social. Nas Bodas de Prata fizeram uma grande festa e agora, no silêncio, planejaram esse lenitivo emocional. Tão logo as cenas foram exibidas na televisão, uma enxurrada de mensagens de amigos, ex-alunos, colegas e familiares, começaram a chegar nos parabenizando pelos cinquenta anos de casados.

Cumprimentos continuam chegando de todos os cantos, inclusive do exterior. Sai uma notícia na grande mídia local e imediatamente viraliza na rede mundial de computadores que tem um altíssimo grau de capilaridade.

Como o mundo mudou! Ontem eu namorava a Marluce e uma carta de Recife para Russas demorava de quinze dias a um mês. Hoje, num estalar de dedos, qualquer informação chega a qualquer lugar num segundo!

Meninas e menino traquinos. Tramaram tudo às escondidas, por debaixo dos panos!

A execução do plano se deu mais ou menos assim: – a Savana subiu com o Habeas Corpus e nos fez sair da prisão do apartamento às pressas, enquanto a Daniella e a Cristiane davam entrevistas e o Ben-Hur preparava uma LIVE lá de São Luis para nos cumprimentar com a Carol, nossos netos, o João e a Iza, amigos maranhenses. O evento foi maravilhoso e ultrapassou fronteiras. A Marluce, com desenvoltura, agarrou o microfone e cantou a música Eu Não Existo Sem Você.

Estamos muito felizes. Nossos filhos nos tiraram do isolamento social, com a segurança recomendada pelos protocolos sanitários e nos fizeram ficar livres e felizes como pássaros fora da gaiola.

Gratidão profunda aos nossos amados filhos, que fizeram tudo acontecer em alto estilo, e a tantos quantos nos abraçaram de várias formas. Foi mais um marco relevante nas nossas vidas.

Gilmar Oliveira

Gilmar Oliveira

Gilmar Oliveira, Professor Universitário.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.