Energia sobe entre 50 e 60% após privatização em Rondônia, diz senador do PDT

O senador Acir Gurgacz (PDT-RO) defendeu a não privatização do setor energético brasileiro, em especial no estado de Rondônia. O parlamentar reclamou dos preços abusivos que, segundo ele, foram estabelecidos após a privatização da Ceron (Centrais Elétricas de Rondônia) e da Eletroacre. Ele ressaltou que o setor é um segmento importante para segurança nacional.

— Algumas privatizações são importantes, mas, quando se fala em energia, eu entendo que não deveríamos ter tido essas privatizações. Nós não poderíamos estar repassando para empresas privadas a distribuição e a organização da energia no nosso país. Vejamos o que está acontecendo em Rondônia.

Gurgacz explicou que, após a privatização, o aumento da tarifa de energia não é apenas de 27%, como ocorreu no primeiro mês subsequente à privatização da Ceron, mas de 50% e 60%. Ele informou ainda que na semana passada a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) negou mais um dos pedidos de reajuste da atual empresa responsável após a privatização, a Energisa.

— Eu já denunciei diversas vezes aqui do Plenário, na tribuna do Senado, os abusos da Energisa. E vou continuar ao lado da população, contra os reajustes e contra os abusos cometidos por essa empresa, como, por exemplo, os desligamentos sem respaldo legal, os frequentes apagões e a falta de investimento na modernização e na ampliação na rede de distribuição no estado — disse.

Agência Senado

Fonte: Agência Senado

segundaopinião

segundaopinião

SEGUNDA OPINIÃO é um espaço aberto à análise política criado em 2012. Nossa matéria prima é a opinião política. Nosso objetivo é contribuir para uma sociedade mais livre e mais mais justa. Nosso público alvo é o cidadão que busca manter uma consciência crítica. Nossos colaboradores são intelectuais, executivos e profissionais liberais formadores de opinião. O SEGUNDA OPINIÃO é apoiado pelo MOVIMENTO COESÃO SOCIAL.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.