Despertai, senhora, despertai, que o ar chove pétalas no laranjal – PEDRO HENRIQUE

Calderón de la Barca, no XVII barroco, diz pela boca de Segismundo: “A vida é sonho” – para o Hamleto espanhol…

Lorca, o fuzilado pelo franquismo, na meia-noite do século XX (agora já é alta madrugada), o lembra: “Despertai, senhora, despertai, que o ar chove pétalas no laranjal”. São as bodas de sangue do casamento entre o PC espanhol com o stalinismo russo e a armada franquista.

Armida e Rinaldo no jardim da ocupada Jerusalém… Um jovem garoto à beira do lago… A menina geométrica de Picasso! Se não fosse esse povo onírico, a vida não teria sentido algum… Mas, não se esqueça: “Despertai, senhora, despertai, que o ar chove pétalas no laranjal”.

*

Nos teus olhos habitam dois sóis.

Nos meus sonhos habitam teus olhos,

e uma lua, que sou,

a alumiar com luz serena

a noite na terra dos homens.

 

**

Bandeira disse,

os corpos é que se entendem;

as almas, incomunicáveis,

só se entendem mesmo com Deus.

Meu corpo e lembrança, hoje,

anda seu.

Silêncio e quietude num abraço

no quarto.

Meu corpo queria Deus,

e minha alma encontrá-lo

num fragmento teu.

Pedro Henrique

Pedro Henrique

Mestre em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e Terapeuta Holístico em formação pelo espaço Ekobé.

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.