Cúmplice por omissão

Trecho final de artigo do jornalista Marcelo Santa Cruz, no jornal Diário de Pernambuco:

“…“No epílogo dessa reflexão, permita-me evocar um fato verdadeiro, ocorrido em 1956, protagonista desta história, o presidente Juscelino Kubistchek, conhecido como presidente JK, e o prestigiado jurista e advogado Sobral Pinto. Encontra-se registrada na memória, narrada nos livros e exibida no filme: O homem que não tinha preço. O presidente JK, com o propósito de contornar dificuldades de ordem jurídica que se colocavam em questões pertinentes à sua posse, resolve constituir seu advogado, o renomado Sobral Pinto, que obteve ganho de causa. Mitigados os ânimos beligerantes do Movimento 11 de Novembro, conhecido contragolpe ou golpe preventivo do marechal Lott, destinado a assegurar a posse do presidente Juscelino Kubistchek e do vice João Goulart, eleitos em 1955. O presidente JK, investido no mais alto cargo da nação brasileira, de imediato convida seu advogado para almoçar no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro. O jurista Sobral Pinto ao adentrar no recinto, é recebido com um grande e afetuoso abraço do presidente JK, que exclamou com aquele seu peculiar sorriso largo: “Sobral, permita-me indicá-lo ministro da Suprema Corte de Justiça”. Sobral Pinto, responde na bucha: “Presidente, sinto-me honrado, mas estou declinando do convite, por dois motivos, não votei em Vossa Excelência, meu candidato foi marechal Juarez Távora”. O presidente JK interrompe o seu interlocutor, com o seguinte argumento: “É por isto mesmo que estou indicando-o para ministro”. Sobral Pinto retoma a palavra e prossegue o diálogo: “Há outro impedimento, também de ordem ética. Fui seu advogado, estava postulando o bom direito e empenhado para que não fosse cometida irreparável injustiça”. Em seguida, pediu que o presidente refletisse, caso venha recepcionar o seu distinto convite, o que irão dizer! por certo que sou um grande oportunista, aceitei ser seu advogado para obter as benesses do poder. Muito obrigado presidente, sinto-me lisonjeado pelo convite. Em seguida, o almoço foi servido, assunto não mais foi abordado pelo presidente JK, tendo em vista que o convite foi indigesto, diante do rígido conceito ético e moral do incomparável Sobral Pinto. Qualquer semelhança com o ex-juiz Sérgio Moro, são outros tempos, outros homens e a história não se repete, a não ser como farsa. Viva a ética e a hombridade, Sobral Pinto presente, agora e sempre!”

Título do artigo: ‘Direitos cerceados deLula não têm comparação histórica’, em que o autor diz não querer “ser cúmplice por omissão da morte anunciada do ex-presidente Lula”.

segundaopinião

segundaopinião

SEGUNDA OPINIÃO é um espaço aberto à análise política criado em 2012. Nossa matéria prima é a opinião política. Nosso objetivo é contribuir para uma sociedade mais livre e mais mais justa. Nosso público alvo é o cidadão que busca manter uma consciência crítica. Nossos colaboradores são intelectuais, executivos e profissionais liberais formadores de opinião. O SEGUNDA OPINIÃO é apoiado pelo MOVIMENTO COESÃO SOCIAL.

Mais do autor