Cearenses Deixam R$ 430 Milhões na Caderneta de Poupança no Primeiro Semestre, Impactando Finanças Locais

Se optassem pelo Tesouro Selic, que é tão seguro quanto a Poupança, rentabilidade seria mais que o dobro

Poupadores de Fortaleza (CE) estão perdendo dinheiro com a poupança. Segundo dados do Banco Central, em julho de 2023, as instituições bancárias da cidade acumulavam mais de R$11 bilhões depositados na caderneta, soma que rendeu R$ 330 milhões nos primeiros seis meses do ano. O valor, apesar de parecer impressionante, é muito inferior ao resultado de outros produtos de investimento, mostrando o que especialistas dizem há anos: a poupança se tornou um investimento ruim.

De acordo com Juliana Miranda, sócia e líder da filial de Fortaleza da Acqua Vero, assessoria de investimentos sócia do BTG Pactual, um dos maiores bancos de investimentos da América Latina, o perfil do investidor do Nordeste, como todo, é um conservador e “bancarizado”. “Os bancos oficiais ainda estão com grande fatia dos investidores, que ainda não possuem o conhecimento de outros formatos de investimento”, destaca a executiva.

Porém, afirma ela, esses investidores estão perdendo tempo (e dinheiro) ao não buscar melhores opções de investimento. Segundo Juliana, mesmo a estratégia de investimentos mais conservadora poderia trazer resultados melhores que o da caderneta. “Caso essa soma tivesse sido investida no Tesouro Selic, por exemplo, que por se tratar de um título do Governo Federal pode ser considerado tão seguro ou até mais que a poupança, os poupadores teriam recebido 6% de rentabilidade sobre o seu patrimônio, em vez dos 4,2% da poupança. Com isso, os R$ 11 bilhões da caderneta teriam rendido R$ 767 milhões, cerca de R$ 430 milhões a mais”, explica.

Para mudar esse cenário, Juliana acredita que é fundamental que as pessoas busquem educação financeira ou, caso não tenham tempo ou vontade de aprender a investir, que procurem uma assessoria profissional de investimentos. “A escolha do conjunto de investimentos, que chamamos de carteira, deve levar em consideração diversos fatores, incluindo quais são as melhores opções que o mercado oferece naquele momento em termos de risco e potencial rentabilidade e quais são as perspectivas para o futuro. Mas, além dessa questão técnica, é importante que o investidor planeje seus objetivos de vida e em qual prazo pretende realizá-los. Esse planejamento é importante para que as pessoas não pensem somente em guardar dinheiro, mas também em como pretende utilizá-lo no futuro e quais serão os melhores meios para chegar lá, além de avaliar o perfil conservador, moderado ou agressivo”, pontua.

Créditos da imagem: https://www.seudinheiro.com

 

Beatriz Ornelas
beatriz.ornelas@economidia.com.br

Convidado

Artigos enviados por autores convidados ao Segunda Opinião.

Mais do autor

Convidado

Artigos enviados por autores convidados ao Segunda Opinião.