O shopping dos pobres

– Moço, quanto é o vestido?

– É R$ 40,00, minha jovem!

– Vixe, moço! Eu só tenho 35,00 e preciso de uma roupa pra vestir no Natal, já até comprei a do ano novo, e sobrou só esse dinheiro, não dá pra baixar mais não?

– Dá não, minha filha, esse preço é o mais barato que consigo vender, senão eu vou perder né!?

– Pois tá bom moço, obrigada!

Lá vou eu enfrentar esse formigueiro de novo, resmungo mentalmente enquanto olho pro alto onde estão penduradas as roupas dos boxes. Todo final de ano era assim, eu guardava um dinheirinho e ia pro Beco da Poeira comprar roupa nova pra usar no Natal, Ano Novo e ainda outras tantas vezes até se rasgar. Era um caso de amor e ódio por aquele lugar, porque, se por um lado eu conseguia comprar várias peças com pouco dinheiro, pelo outro tinha que enfrentar o calor, o barulho e as pessoas esbarrando em mim o tempo todo, esse era o preço que eu pagava por comprar mais barato.

Quem vai pro beco já sabe que o traje é roupa confortável, chinela que não faça calos, já que a andança é grande, e cabelo preso na piranha, porque se Fortaleza é quente no meio da rua, imagina em um lugar fechado e abarrotado de gente. E, mesmo indo toda preparada, a gente ainda sai de lá parecendo uma “doida”, como diz o cearense, mas feliz pela sacola cheia de roupa nova, pelo menos era assim que eu me sentia. E pensa num lugar pra ter de tudo. Quer comprar lingerie? Lá tem. Quer fazer o enxoval do bebê? Lá dá pra fazer, sim. Quer biquíni? Blusa de time? Sandália? Bolsa? Minha amiga, lá tem de tudo, é tipo um mini-Centro dentro do Centro. Agora lhe digo, pra tu encontrar o que quer, vá na intenção de bater perna e sem hora pra sair.

Mesmo cheio de atrativos, o Beco já foi alvo de preconceito, isso por quem não conhecia esse lugar, que é praticamente um patrimônio da nossa cidade. Só porque boa parte da clientela era de gente baixa renda, que ia lá gastar seu suado dinheiro e fazer a economia girar, o povo meio que desmerecia o local, daí nasceu o termo “shopping dos pobres”. Mas não é que o danado do beco deu a volta por cima? Hoje já reconhecido pela prefeitura como um ponto turístico e um grande incentivador da economia de Fortaleza, é quase que parada obrigatória para os turistas que por aqui passam.

Depois dessas memórias deu até saudade de andar por lá e comprar umas blusinhas, porque o capital tá difícil, e onde tiver preço baixo, ali estou. Ah, Beco da Poeira, se um dia eu te critiquei, não me lembro mais!

 

Hadassa Cavalcante

Hadassa Cavalcante

Graduada em Jornalismo, Mãe de dois, Vegetariana,Cristã.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.