Beco da Poeira, mini Curso Empreendedor

 

Olha, acolá tem um lugar em que toda roupa que tu procurar tu encontra.

Eu via algumas mulheres combinando a ida até o fantástico mundo das roupas pela metade do preço. Se comparássemos aos preços das lojas do Centro de Fortaleza, a diferença era brutal. Mas tenho que dizer que muito dependia do seu bolso e do seu nível de exigência.

O lugar virou ponto de encontro em muitos sábados. Minha família achava massa comprar roupas lá.

Era e é um centro de pequenos negócios, mas, como muito do que é nosso tem que ter um nome bem cearês, o lugar foi batizado como Beco da Poeira.

Eu tinha nove anos e me perguntava se aquele lugar tinha mesmo que se chamar assim. Eu achava absurdo ver as pessoas se programando para ir à um lugar chamado de “beco da poeira”. Mas o que é isso, minha gente!? Como minha mãe podia me arrastar em pleno sábado para um beco cheio de poeira?

Não me recordo agora, mas lembro de criar uma lista de nomes que, a meu ver, eram bem mais bonitos para aquele espaço. Na verdade eu ainda era muito miúda, tinha muitos questionamentos e estava em processo de compreensão da realidade a que pertencia rsrs.

Quando eu cresci, fui entendendo que não era uma questão de gosto, mas sim uma característica do lugar. E por mais estranho e engraçado que parecesse, o nome para aquele lugar era esse mesmo – Beco da Poeira, ou Shopping BP como muitos chamam até hoje.

Embora eu não gostasse do nome, do calor, dos gritos, da poeira e das pessoas deixando suas marmitas no meio daquele monte de roupas para nos atender, tenho que dizer que ali foi um dos meus primeiros contatos com o empreendedorismo. 

Aquelas pessoas não se cansavam nunca! Não tinham uma hora de almoço tranquila. Apenas um radinho ou uma mini tv para ajudar o tempo a passar. 

Apesar disso, o foco era no cliente. Nunca vi algo assim… 

 

Olhávamos em direção a um cabide com várias peças penduradas e logo em seguida escutávamos a vendedora dizendo:

_ A saia jeans é R$ 25,00, viu, senhora. Faço até por R$ 20,00 pra senhora levar agora!

Eu achei aquilo incrível! Como ela sabia que a peça que nós (eu e minha mãe) olhávamos era a saia jeans, se havia um vestido, uma blusa e não me lembro o que mais pendurados naquele expositor?

Comecei a deixar a chatice de lado e passei a observar o trabalho dinâmico, atento, e constantemente empolgado daquelas pessoas. Os sábados em que íamos lá, deixaram de ser enfadonhos e se tornaram mini curso sobre esforço humano, perseverança, agilidade, abordagem do cliente, empatia e muito mais.

Nós havíamos procurado uma saia para mim em várias lojas, mas a querida só foi encontrada no bendito Beco da Poeira. Talvez uma forma da gente começar a se entender. 

Aquele povo sabe fazer negócio. Eita olhar treinado!

Daniella Cruz

Daniella Cruz

Daniella Cruz é Psicóloga, empreendedora, especialista em Gestão Estratégica de Recursos Humanos e MBA em Gestão de Pessoas e Liderança. Tem participação em antologias literárias e é colunista no SegundaOpinião.jor

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.