A MENARCA DE MARIA, por Fátima Teles

O ano era Mil Novecentos e Oitenta e Dois, final do Século Vinte.  Eu acabara de menstruar aos treze anos. Era minha primeira vez e eu saíra apavorada do banheiro. Mamãe me pedira para deitar, pois ficando moça tinha que ter repouso, uma vez que menstruação era coisa séria. E ainda me disse que nem inventasse de comer manga e nem frutas cítricas, que essas frutas eram favoráveis às cólicas.

Nas Cidades do interior era costume ver a menarca e os demais ciclos menstruais como uma doença principalmente quando o fluxo vinha acompanhado de dores ovarianas.

Fui deitar-me para não contrariar mamãe, afinal ela sabia das coisas. O absorvente sem abas parecia mais uma almofada de tão alto e era um incômodo. Porém, pus-me a pensar:

Eu li nos livros de Biologia que a menstruação é um processo natural e não deve ser visto como nenhuma doença. Que a menarca é o início do ciclo reprodutivo. Chamei mamãe no quarto e lhe disse que as informações que tenho sobre a menarca e os ciclos menstruais não condizem com a situação em que estou.

Mamãe pôs-se a explicar-me que os livros estão certos,  uma vez que trazem conhecimento fundamentado em teorias científicas. No entanto, os costumes em que ela fora educada viam a menstruação como algo especial que inviabilizava a mulher de ter uma vida normal nesses dias.

Hoje, aos Quarenta e Nove Anos, relembro sorrindo,  e vejo quanto caminhamos e, de certo modo, evoluímos no tocante aos ciclos menstruais. As adolescentes sentem prazer em saber que estão saindo do casulo infantil e iniciando a vida de MOÇA. Os absorventes são diversos e alguns são artesanais. A vida segue seu curso e fluxo, e nada é proibido. O Século Vinte e Um vem fortalecer a proposta de empoderamento feminino e isso tem sido muito positivo.

Muitos medos que vivemos são frutos da cultura de valores trazidos pelos mais velhos e pela tradição oral desde a nossa ancestralidade. Cabe a nós andar de mãos dadas com o tempo e as mudanças que ele vem trazendo.

Que as menarcas sejam livres!!

Maria de Fátima Araújo Teles

Historiadora, Assistente Social,Pedagoga Especialista em Direitos Humanos e Psicopedagogia Institucional Professora Formadora da Área de Ciências Humanas do Ensino Fundamental II da Secretaria Municipal de Educação de Brejo Santo Escritora e Poeta Membro da Academia de Letras do Brasil, Secção Ceará

Mais do autor - Website

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.