17 razões para crer que o presidente está certo e o mundo está errado

  1. Foi com a melhor intenção de salvar vidas que o presidente adotou uma atitude de negar o perigo da doença, mesmo que os médicos advertissem de que era grave e capaz de matar, já que não havia cura nem tratamento conhecidos.
  2. Estava bem intencionado quando disse que era apenas uma gripezinha ou um resfriadinho e que era preciso enfrentar, e, se temos de enfrentar, quanto antes melhor.
  3. Foi coerente quando não tomou nenhuma medida preventiva, apesar das informações dramáticas que vinham de muitos países. Claro, ele foi contra o distanciamento social e a suspensão das atividades que aglomeravam pessoas.
  4. Não é certo gastar o dinheiro público aplicando testes e mais testes e localizando os infectados e agindo preventivamente contra a propagação da doença.
  5. Aquele estado nordestino pediu ao presidente para fechar o seu próprio aeroporto a voos estrangeiros. O presidente só pode ter agido de boa fé quando negou. Foi só coincidência que este estado foi um dos mais afetados no início. Depois o governador conseguiu na Justiça a ordem de fechamento do aeroporto.
  6. É muito inteligente da parte do presidente não tomar medidas contra a pandemia. Sobretudo foi inteligente e bem intencionado impediu pelo maior tempo possível que governadores e prefeitos agissem em defesa de suas populações. Reflita, você é tão inteligente quanto o presidente.
  7. Foi genial o presidente quando não permitiu que o Ministério da Saúde e o próprio Governo Federal agissem como coordenadores nacionais no combate da pandemia. Ora, bolas. Essas coisas fazem parte da vida e o governo não deve se meter. Deixa estar, deixa acontecer.
  8. O presidente agiu correto ao demitir o ministro da Saúde que estava agindo contra sua orientação e estava tratando a questão com transparência e dando apoio ao SUS e aos profissionais de saúde. Afinal, ministro do governo do presidente tem que ficar abaixo dele, obediente a ele e essa história de transparência e de SUS é besteira grossa.
  9. Quando o presidente disse que não era coveiro, ele apenas quis fazer uma homenagem aos coveiros. O presidente não estava, nem de longe, mostrando sua falta de empatia com os mortos, seus amigos e familiares.
  10. Quando o ministro da Saúde nomeado propôs um plano amplo e sério de testagem e controle rigoroso da expansão da doença, o presidente o demitiu. Claro. Não era isso que o presidente queria. O que o presidente queria era que todos tomassem cloroquina, seja de forma curativa, seja de forma preventiva. Que tomem cloroquina, porra!
  11. Ora, se o presidente era contra o isolamento e os testes, nada mais natural que ele também fosse contra o uso de máscara. Daí que o presidente não usasse máscaras e fizesse aglomerações. Assim, como ele é presidente, a imprensa divulga e uma parte da população mais tolinha vai aderir a seu projeto de morte, quer dizer, a seu projeto geral.
  12. O presidente passou o primeiro ano de governo dizendo que nada podia fazer contra o desemprego e a recessão, que isso não era problema dele, que o governo não cria empregos, que isso é coisa do mercado. Bastou instalar-se a pandemia, e o presidente mudou de posição e passou a defender o emprego e preocupar-se com o crescimento da economia. Claro, agora ele tem um culpado, um bode expiatório perfeito. Desemprego, recessão, claro e evidente que a culpa é dos governadores e prefeitos!!
  13. O presidente tem muito amor e compromisso com o povo brasileiro. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos. Tem que ir em frente, de nada adianta observar o que acontece no mundo inteiro, de nada adianta seguir o que dizem os cientistas e os estudiosos. Não se pode acreditar em números. Basta por em dúvida os números, basta por em dúvida a ciência, as pessoas vão acreditar no que ele disser, pelo menos a metade, o presidente vê a vida como um par ou ímpar. Você divide as pessoas, elas brigas entre si. E ele se sai bem, malandragem da boa.
  14. Agora, o presidente está empenhado em desacreditar a vacina. É preciso dar apoio ao presidente. Vacina deve ser coisa de comunistas, de boiola.
  15. Agora, tem que dar a cartada. Ele, o presidente, tem que se posicionar como um grande líder e jogar seus solados contra o fogo inimigo. Que vá em frente o povo contra as baionetas e contra as metralhadoras. Quem não for é porque é fraco, é boiola, como os maranhenses que tomam o guaraná Jesus. Seus maricas!!
  16. Claro que o presidente vai usar a Anvisa para frear o processo de aprovação de vacinas, principalmente aquela vacina comunista e paulista ao mesmo tempo. Porra de vacina! Está coberto de razão o presidente, ninguém precisa ser obrigado a tomar vacina.
  17. Finalmente, tem que dificultar, atrasar e sabotar a aplicação das vacinas. Diabo de gente frouxa e teimosa. Acabou, porra!

Jana

Janete Nassi Freitas, nascida em 1966, fez curso superior de Comunicação, é expert em Administração, trabalhou como executiva de vendas e agora faz consultoria para pequenas e médias empresas, teve atuação em grêmios escolares quando jovem, é avessa a redes sociais embora use a internet, é sobrinha e neta de dois vereadores, mas jamais engajou-se ou sequer chegou a filiar-se a um partido, mas diz adorar um bom debate político. Declara-se uma pessoa “de centro”. Nunca exerceu qualquer função em jornalismo, não tem o diploma nem o registro profissional. Assina todos os textos e inserções na internet como “Jana”.

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.