Arquivos em Tags: rui martinho

APORIAS DO PENSAMENTO POLÍTICO

O pensamento político se fixa nos mesmos pontos desde a Antiguidade: pobreza, exploração, emancipação, legitimidade política, igualdade, liberdade e a historicização integral do homem. A modernidade introduziu conceitos como exército de reserva, pauperização; novas pautas, como a liberdade de ser,

O DNA DA CRISE INSTITUCIONAL

Contemplar a crise institucional sem “fulanizá-la” é procurar entender o seu DNA. Pessoas lideram e decidem. Não decidir também pode ser decisão. Sujeitos podem ser proativos ou reativos, sem deixar de ser agentes. A metodologia compreensiva de Maximilian K. E.

O USO DA RAZÃO

As tecnologias digitais multiplicaram as comunicações. Muito mais limitado era o alcance do invento de Johann Gutenberg (1398 – 1468), que ensejou o enciclopedismo dos iluministas do século das luzes; panfletos; e jornais que contribuíram para revoluções. A era do

A TRANSIÇÃO

Todo tempo é tempo de transição, dizem os seguidores de Heráclito de Éfeso (540 a. C.– 470 a.C.), para quem não se toma banho duas vezes no mesmo rio, pois o rio e o homem já não os mesmos. Tal

A COMPLEXIDADE E A POLÍTICA

O conhecimento, fruto do esforço de compreensão do mundo, pode ter como objeto pequenos fragmentos do real, ou amplia-lo até o todo, que os físicos chamam “teoria de tudo” a fracassada tentativa de unificar a explicação das quatro forças fundamentais

Autodestruição

As civilizações, segundo os estudos de Arnold J. Toynbee (1889 – 1975), tendem a autodestruição, completando um ciclo, a exemplos de Roma, Grécia e provavelmente os maias. Tempos difíceis, sem que haja destruição, causados pela insensatez de governantes e dos

O Reino de Cronos

Disciplinas humanísticas têm por objeto o significado de atos e fatos (Sociologia compreensiva). Um ciclista atropela um pedestre e o ocorrido foi involuntário para ambos. Temos um fato jurídico (não advindo da vontade), não um ato jurídico (volitivo). Maximilian K.

DIRIGISMO E CRISE

As crises estão se tornando mais profundas e frequentes. Fala-se em crise financeira, moral e ecológica. A coletânea “O mundo não tem mais tempo a perder”, de intelectuais e líderes do Collegium Internacional, organizada por Sacha Goldman (?-viva), descreve tudo

A NOVILÍNGUA

A obra de George Orwell (Arthur E. Blair, 1903 – 1950), intitulada “1984”, descreve uma distopia. O regime totalitário da ficção aludida controla, entre outras coisas, a semântica do léxico, promovendo a ressignificação das palavras, proclamando que liberdade é escravidão

Teorias Estranhas

A escola Antropológica do Evolucionismo social, teve em Edward Burnett Tylor (1832 – 1917) um grande autor. Ele estudou culturas primitivas. Enfatizou o desenvolvimento da mitologia e religião. Entendeu que os povos primitivos imaginaram a existência da alma. Ainda se