Arquivos em Tags: poema

A vida passa

O sol era árabe. “Frita ovo no asfalto, patrão. Pode testar”, disse o menino de roupas rasgadas, descalço e um saco de balas na mão, ao ver o vidro do carro baixar.

Nervoso, o motorista queria tudo naqueles segundos que antecederiam

estações

estações onde flores florescem
o inverno há de chegar, sobretudo teu sorriso
me faz permanecer sóbrio em pleno dia
chegaste da noite em plena calmaria
traz contigo o belo
o verão escaldante sobre águas frias que cobrem os seios
deixando meu corpo luminoso diante ao calor
traz-me

Poemas do Quio

 
Tu chegas toda noite,
Me sacode para todos os lados.
Fecho os olhos em silêncio.
Espero e nada acontece.
Escuto o barulho da rua:
Vários carros passando.
A cidade nunca para;
Um verdadeiro formigueiro.
Apenas as luzes do poste
Clareiam uma parte da casa.
Respiro três. Ou seis vezes.
Tomo água

POEMA DE MIM… :CORAGEM

E aqui estou eu…
Em um papel, não de carne e osso…
Coração a mil…
Tristemente maravilhado…
Soluçando
Sol procurando
Trabalhando letras
Trabalhando palavras
Entregue, entregue, entregue…
Feito papel, coração frágil
Tentando buscar a mim mesmo…
Qual José Drummoniano:
Onde?

Aço em pedaços
Vagando sem pés
Vagando sem chão
Vagando sem céu
Vagando coração
Relembrando Pessoa
Relembrando pessoas
Relembrando poesias
Relembrando

Desenho do céu

rostos disfarçados de nuvens se despedindo antes de subir pro céu
mesmo querendo tremer o beicinho
atiça o fogo e inventa uma receita de queijo
parece que acertei a dica de dona Dedinha
inhame
crocante
açafrão
vamos anda come
para de olhar pro céu
você já é grandinha ninguém

Quem sou eu

A noite e as estrelas contadas nas pontas dos dedos. No terreiro, deitada no chão, eu.
A luz do candeeiro, o santo na parede e o cheiro de canjica com canela. Vovó lina na cozinha e vovô Chico com o radiozinho

DEUS TEMPO

O senhor tempo é o Deus maior. Nos ensina a importância de todas as coisas e nos mostra por quais devemos lutar. O que vale a pena e o que devemos abandonar. Quem segue conosco pela estrada florida e quem

Março

Inclina o perfil e abre a porta da sala
tece páginas, casa palavras e inventa letras
março veio com chuva, mesmo assim o sol parou mais do que de costume na persiana da minha janela
pede licença a Cecília e avisa para o

Meu outro inverso

 
O inverso de mim mesmo é meu mundo mórbido e opaco.
E nas entrelinhas de um abrupto silêncio minha tristeza declina.
Mas em noites incomuns sobrevivo com saudades melancólicas.
Pois não canto, sou desencanto num lastro sem sorriso.
O que me apraz é um

O Artífice

– Ó quão desassemelhado és tu
do que me faz suspirar.
Meus versos brancos e livres,
cantam o perfumado amor.
Eu desejei por dez vezes,
o estéril filho do deserto.
O destemido escriba,
dos enredos nefastos.
Cessei de querer-te,
quando com destreza,
sitiastes minha luz!
Cantemos ao sol amarelo
que fez apagar

(…) SEM VOCÊ

A circunstância
A dor
A distância
O amor !
 
 
Difícil entender
Impossível acreditar
Eu sem você
Insone, a sonhar !
 
 
Noites longas
Silêncio ensurdecedor
Você, eu, a dor !
 
Sofrimento constante
Dor dilacerante
Angústia mortificante !