Arquivos em Tags: literatura

Amoroso, um livro sublime

Semana passada comentei aqui livro de Ivan Marques sobre vida e obra de João Cabral de Melo Neto. Desde então dediquei-me a ler Amoroso (Companhia das Letras, 2021), primeira biografia de João Gilberto e último livro do jornalista e musicólogo Zuza Homem

Um Teto Todo Seu

Baseado em palestras proferidas pela autora, em 1928, o livro Um Teto Todo Seu (São Paulo: Tordesilhas, 2014), de Virgínia Woolf, compreende uma reflexão acerca das condições sociais da mulher e suas influências na produção literária feminina. 
   Esse livro coloca em

Noites de luar na ABL

Poetas, seresteiros, namorados / Correi! / É chegada a hora de escrever e cantar / Talvez as derradeiras noites de luar.” (Lunik-9)
Chama a atenção o mal-estar que tomou conta de milhares de pessoas no Brasil desde a eleição de Gilberto

Novos imortais da ABL

A eleição de Gilberto Gil para a Academia Brasileira de Letras, na esteira do que já ocorrera com relação a Fernanda Montenegro, há uma semana, serviu para alimentar a velha discussão: o que é literatura? A pergunta, se atrelada a

RELIGIÃO, UM OPIÁCEO SEM PRAZER

A religião não só escraviza como aliena. Para alguns, é uma espécie de opiáceo.
Quando os cristãos chegaram na América, desconheceram toda cultura, toda religiosidade e toda harmonia com a natureza praticada pelos povos originários. Disseram que o Deus deles não

Trotski responde a Russel

Mais uma vez sobre pacifismo e revolução
 
Na coluna anterior publicamos o artigo do filósofo e matemático britânico Bertrand Russel (“Trotsky sobre nossos pecados”) sobre o livro “Para onde vai a Inglaterra?”, de autoria do líder revolucionário russo Leon Trotski. Hoje

Sem perder a ternura jamais

Pediram-me duas linhas sobre Jorge Amado, que, nessa terça 10, faria 109 anos. Aqui vão, cumprindo a pauta do jornal e homenageando singelamente um dos poucos escritores de quem posso afirmar ter lido, rigorosamente, todos os livros, contando o Navegação de

Libélula

A morte, ela transforma.
Faz a carne voltar ao Verbo,
Todo sonho verter ao pó.
Faz da gente, que ficou pra contar história,
Do destino um pequeno detalhe,
Tola criança com medo de dormir só.
É atrevida, um agridoce desatino!
Deixa vinco fundo em página marcada,
Silêncio amargo