Quanto Vale teu silêncio? por RENATO ÂNGELO

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Sou esperto, não me iludo

Sobre a pedra, limo e lodo

Desespero acima de tudo

E a lama acima de todos!

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Vejo a terra em movimento

Não que seja, agora, plana

Sufocadas famílias temos

E a familícia oculta em lama

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Alardeiam falsas verdades

Há alguns recitando de cor

Não precisam mais da Globo

Já compraram a Record

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Nacionalismo de fachada

Soberania? Não há pista

Prescindindo nossa guarda

Pelo braço sionista

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

O velho Chico está na mira

Da enxurrada de minério

Transformaram Brumadinho

Enlameado cemitério

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

A pobre mineira mãe

Fita o filho que à lama padece

Repetimos a Samarco

E o financismo enriquece

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Tu que cobre, agora, os olhos

Vais rifando a confiança

Em um bufão de verde-oliva

Depositaste a esperança

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Entreguista de hoje e sempre

Tua cobiça não de indulta

O país foi derrotado

E o privatismo foge à luta

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Se pensas que imune à lama és

Se crês mesmo que és nobre

Saibas que um dia, esta, te alcança

Classe média, alta ou pobre

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

O alarde da tragédia humanitária

Mantém sempre bem oculta a engrenagem

Sem uma gauche verdadeira apartidária

Contra a ânsia de abutres não há barragem

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Lembras tu que mora ao longe

Cego sendo em tua vaidade

Se hoje a lama devora Brumadinho

Devorará, amanhã, tua cidade

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Se és mesmo liberal

Defendendo a mentira meritória

Sê decente pelo menos uma vez

Estendendo tua mão à palmatória

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Compraz, a ti, ver o Brasil

Sendo assim, barato, entregue?

E tu fingindo ativismos

Acorrentado a hashtags

 

Quanto Vale teu silêncio?

Quanto teu silêncio Vale?

 

Não esperes que um dia

A terra em teu pulmão te cale

 

– Que a lama te seja leve!

Renato Angelo

Renato Angelo

Mestre em políticas públicas, professor universitário, pesquisador, poeta e contista

Mais do autor