PT na cabeça

Os últimos lances da semana passada (13 a 19/06) vêm colocar em luz a imensa cratera da rachadura existente entre as forças políticas internas do PDT cearense. Por um lado estão os ciristas, liderados por Ciro Ferreira Gomes, digladiando abertamente com pedetistas camilistas, sob o comando do ex-governador Camilo Santana. Os fatos recentes, com a troca de farpas entre o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Evandro Leitão, e Carlos Lupi, presidente nacional do PDT; o desrespeito para com a governadora Isolda Cela no evento para os militantes desse partido, realizado em Fortaleza; e o imperativo movimento ostensivo, articulado por Ciro, de querer impor goela abaixo a candidatura de Roberto Cláudio ao governo do estado, são provas cabais de que há algo que não vai muito bem.

Como observador atento destes movimentos, o deputado federal José Airton (PT-CE) deu continuidade ao seu compromisso de conduzir o debate crítico em torno da conjuntura política, iniciado no ano passado, quando saiu, de forma pioneira, com altivez e destemor, na defesa de sua agremiação partidária, rebatendo a todos os ataques espúrios e levianos procedidos por Ciro Gomes contra Lula e o Partido dos Trabalhadores como um todo, defendendo a candidatura própria do PT ao governo do estado, para garantir um palanque leal e forte para o Presidente Lula, enquanto parte dos petistas cearenses se mantiveram emudecidos, talvez por conivência ou conveniência.

Estes petistas – coniventes ou convenientes – não estão se apercebendo (ou não reúnem forças para denunciar) do movimento que está em marcha com uma provável eleição de Roberto Cláudio ao governo do estado, qual seja, o desmantelamento da posição do PT em um futuro governo aliancista, conforme já sinalizado reiteradamente pelo patriarca da oligarquia Ferreira Gomes, afirmando peremptoriamente não querer o PT na composição eleitoral deste ano.

No dia 18, em entrevista concedida ao jornalista Carlos Holanda, o deputado José Airton declarou abertamente pela necessidade imediata da construção de uma Frente Ampla, envolvendo os partidos políticos PT, PV, PC do B, Solidariedade, MDB, PSB e União Brasil, assegurando o compromisso político de apoio à candidatura de LULA PRESIDENTE, colocando-se à disposição de liderar a chapa a concorrer ao governo do estado do Ceará, com o PT na cabeça. Como candidato ao governo do estado, José Airton teria totais condições políticas, alicerçado pela referida Frente Ampla, de ganhar a eleição e estabelecer uma sintonia plena com o Projeto Nacional do Governo Lula, a partir de 2023. E é isso que a militância e eleitores esperam que o Partido dos Trabalhadores no Ceará defina o quanto antes.

Alexandre Aragão de Albuquerque

Mestre em Políticas Públicas e Sociedade (UECE). Especialista em Democracia Participativa e Movimentos Sociais (UFMG). Arte-educador (UFPE). Alfabetizador pelo Método Paulo Freire (CNBB). Pesquisador do Grupo Democracia e Globalização (UECE/CNPQ). Autor dos livros: Juventude, Educação e Participação Política (Paco Editorial); Para entender o tempo presente (Paco Editorial); Uma escola de comunhão na liberdade (Paco Editorial); Fraternidade e Comunhão: motores da construção de um novo paradigma humano (Editora Casa Leiria) .

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.