PRÉ-LEITURA DO LIVRO “PALAVRAS E ADMIRAÇÕES”, DE FERNANDO XIMENES

O AUTOR

Fernando Ximenes tem formação superior e mestrado em Direito. Foi professor da Universidade Federal do Ceará e desembargador do Tribunal de Justiça do Ceará, que presidiu. Presidiu também o Tribunal Regional Eleitoral. Foi Secretário de Estado da Justiça e Procurador-Geral do Estado e de Fortaleza. Tem doze livros publicados (como autor, co-autor ou organizador).

A PUBLICAÇÃO

O livro “Palavras e Admirações”, de autoria de Fernando Ximenes, foi lançado em 2013, com 208 páginas, pela Editora UFC. ‘Orelhas’ de Dimas Macedo. Oito páginas dedicadas às referências bibliográficas.

CIRCUNSTÂNCIAS 

Fernando Ximenes sempre levou vida intelectual ativa, seja como membro ou dirigente de entidades culturais ativas, seja como professor universitário e escrevendo regularmente em jornais e revistas. Já na abertura do livro, quando faz a apresentação, ele credita aos juristas e escritores Dimas Macedo e  Paulo Bonavides o estímulo (e a insistência) para que ele organizasse em livro artigos, discursos, perfis e leituras críticas do Poder Judiciário. O livro é o resultado da seleção dessas reflexões abrangendo, em suas próprias palavras, “opiniões e posicionamentos, louvores e avaliações, sentimentos e emoções que transbordaram”.

A IMPORTÂNCIA DO LIVRO

Para além da força e interesse dos temas e da qualidade literária intrínseca, a projeção de Fernando Ximenes na sociedade como intelectual confere relevância ao livro.

O poeta-escritor Dimas Macedo, nas “orelhas” do livro, aponta essa dimensão do autor: “Fernando Ximenes pertence à grei dos melhores homens públicos do Ceará; pertence ao grupo dos que lutaram pela construção da nossa modernidade, como defensor e arauto da Constituinte em nosso estado…o Constitucionalista e o cultor atencioso da Filosofia, o hermeneuta cuidadoso para com o trato do universo jurídico e o amante sensível da poesia e da escansão musical são atributos que fazem de Fernando Ximenes um dos nossos melhores estetas, porque a sua condição de amante da língua e da pureza das formas é tudo o que reluz da sua produção…”.

O LIVRO 

A estrutura do livro é simples: uma sequência de vinte e três textos breves, que, independentes, podem ser lidos em qualquer ordem.

A obra contém perfis de personalidades relevantes da vida pública regional (como Paulo Bonavides, Demócrito Dummar, Aloisio Lorscheider, Ubiratan Aguiar, Nailde Pinheiro) e nacional (como Sepúlveda Pertence), além de discursos proferidos em momentos marcantes da cultura da cidade. A Retórica e a Ciência Social também recebem atenção do autor.

Entretanto, o assunto que toma maior espaço e capricho do autor é a qualificada crítica ao Poder Judiciário, que ele faz com a serenidade e a responsabilidade de um membro dessa estrutura pública (ele a viveu na intimidade por uma longa trajetória profissional bem sucedida, já que ele alçou os postos mais altos da hierarquia).  

CURTAS

“…Na Idade Média, a retórica era uma das artes liberais, compondo o ‘trivium’, ao lado da gramática e da dialética.

“… No Ceará, terra adusta, a inteligência parece vicejar na razão inversa às asperezas do meio físico.

“… Exige-se do Poder Judiciário firmeza em se desvencilhar de suas mazelas, para que possa desempenhar, com ousadia, sua missão de distribuir justiça.

“… Desfruto, pois, da alegria de ter assento neste Templo da Cultura, que nasceu em 1887, nos estertores do Segundo Império, quando a Terra da Luz já se livrara da pecha da escravidão.

“… O Poder Judiciário é exercido por homens; por isso mesmo possuí virtudes e defeitos, comete acertos e desacertos; é falível, como toda instituição humana.

“… Aos bem-aquinhoados é dado converter em belas palavras o que lhe vai na alma. Aos escolhidos é concedido o privilégio de eternizar os frutos do espírito em escritos que ressoam pelos séculos. Quanto a mim, procuro…

BONS MOMENTOS

“… Desde os primórdios da civilização, o ser humano preocupou-se em descobrir, explicar e prever como funciona o mundo à sua volta. O imensurável acervo de conhecimentos coligidos ao longo das eras, fundados sobre princípios evidentes e demonstráveis, ou amparados em raciocínios  experimentais, ou ainda, adquiridos mediante a análise das sociedades e dos fatos humanos — constitui a Ciência. Qual árvore frondosa que se desdobra em inúmeros ramos e está continuamente brotando, a ciência é única, pois a natureza — cuja descrição é seu objetivo precípuo — também é uma só. 

“… De igual modo e nada obstante a grande chaga do judiciário continuar sendo a demora na resolução das demandas que lhe são submetidas, não podemos nos tornar uma justiça de números, preocupada em se desvencilhar o mais rápido possível de seus processos, interessada na quantidade de seus julgamentos, sem compromisso com sua qualidade, transformando os juízes em máquinas de produzir julgados. Temos de resistir a isso…

“… Urge, igualmente, combater com veemência os recursos meramente protelatórios, com as altercações insustentáveis à luz do direito, os quais visam tão somente fazer com que as sentenças não se efetivem, normalmente, são eles intentados pelos economicamente fortes, que podem pagar bons advogados para conseguirem tal desiderato.

“… Não poderia deixar de ressaltar a atitude varonil de D. Aloísio Lorscheider no episódio de sequestro de que fora vítima, quando cumpria a sua missão pastoral, visitando e consolando os encarcerados do Instituto Penal Paulo Sarasate. Pouco tempo depois do episódio, D. Aloisio voltava ao local do verdadeiro martírio a que fora submetido para, no gesto mais cristão que poderia realizar, generosamente lavar os pés dos detentos, alguns dos quais envolvidos na agressão que sofrera. 

“… Isabel vem ombrear-se a outras escritoras cearenses, também condecoradas com o Troféu Sereia de Ouro, como Rachel de Queiroz e Ana Miranda. É premiação altamente merecida, uma vez que se trata de reconhecimento à inteligência, à beleza, à fibra e ao destemor da mulher cearense. Destarte, todas as mulheres aqui presentes devem sentir-se igualmente honorificadas e representadas na pessoa de Isabel Lustosa, que se fez nacionalmente conhecida pelo seu incomum talento. 

“… Essa juventude, Demócrito, tem tudo a ver com voce, que soube, ao longo de sua passagem terrena, conservar acesa a chama dos sonhos e ideais, colocando entusiasmo em tudo o que fazia, de modo a contagiar parentes, amigos e os bons quadros de jornalistas que se formaram sob sua batuta. 

Osvaldo Euclides de Araújo

Osvaldo Euclides de Araújo tem graduação em Economia e mestrado em Administração, foi gestor de empresas e professor universitário. É escritor e coordenador geral do Segunda Opinião.