Pra quê parar a tempestade?

Ele queria parar a tempestade com a própria mão. Era um céu carregado, cheio de raio e escuro feito um vão, de buraco negro. O coitado foi pro meio da rua, esbravejooou!!! Fez o que fez e num deu em nada. Teve direito a mandinga de doido, mudar de fé e se abster de viver, irado estava, irado ainda ficou, e nada da tempestade passar.

– Ei menino, sai do mei da rua!

Já era quase domingo.

Raquel Catunda Pereira

Raquel Catunda Pereira

Raquel Catunda Pereira é romancista, dramaturga e contista cearense premiada com as obras "Historia entre Mundos", Prêmio Rachel de Queiroz; "Espetáculo de Você", Concurso Jovens Dramaturgos" e "A Equilibrista", Coletânea de Contos Ideal Clube. A escritora é também Mestre em Literatura Comparada pela UFC e exerce atividades como educadora em escolas de Fortaleza.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.