PANDEMIA NO TRABALHO

O ambiente laboral é quase sempre emocionalmente insalubre. Em muitos casos a insalubridade é também física; empresas que não oferecem estruturas físicas adequadas ao desempenho confortável e consistente à elaboração e entrega de produtos e serviços.

Somem-se a esses fatos, as variáveis que compõem a formação do capital humano e social de qualquer empreendimento:

– visão rasa do mundo;

– inexistência do sentido da vida num espaço predominantemente tecnológico;

– baixo nível de formação técnica;

– conhecimento precário da alma humana;

– estilos de lideranças desrespeitosos;

– relacionamentos verticalizados;

– …  …  …  .

Até aqui, apresentei a forma quase universal, como é e como se costuma ver, analisar e trabalhar o mundo empresarial, com base em parâmetros anacrônicos que contrastam frontalmente com os padrões modernos que elegem o foco de toda a energia em aspectos positivos.

Para explicitar mais evidências da realidade nos espaços corporativos, apresento uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup no universo de 1.000 pessoas. A questão posta foi: você tem oportunidade de fazer diariamente no trabalho o que você melhor sabe fazer? A resposta foi Zero, isto é, nenhum dos 1.000 pesquisados se sentia emocionalmente engajado em exercer suas atividades.

A mesma pesquisa mostra que quando as pessoas têm oportunidade de trabalhar usando seus talentos naturais, têm a probabilidade de serem 6 vezes mais engajadas no que fazem e ostentam 3 vezes maiores possibilidades de terem uma qualidade de vida excelente.

Há vacina para essa pandemia …  que assola a classe trabalhadora e empresarial, provocando:

– baixa produtividade;

– doenças;

– absenteismo;

– “turnover”;

– queda no PIB;

– …  …  ….  ?

Há vacina, sim … aplicável ao trabalhador e ao empresário que já sentiu dor aguda em cada uma de suas células e quiser curá-la … livrar-se do incômodo e obter sucesso.

Digo trabalhador e empresário porque, como estudioso do Comportamento Humano, ouso dizer que, da mesma forma que o Covid 19 exige o isolamento de toda população e higienização constante das mãos, o DRH (Desenvolvimento de Recursos Humanos) exige o “assessment” dos talentos de todos da empresa e a formação de TAPs -Times de Alta “Performance”. Se alguém ficar fora, contamina toda a organização com o vírus da inoperância.

Informo que não estou relativizando a ferocidade das pandemias do coronavírus, da varíola em 1878 e da pandemia da gripe espanhola de 1918, com alto nível de letalidade para ricos e pobres.

Estou querendo mostrar que existem também as pandemias da exploração da classe trabalhadora, da fome, da educação precária, dentre outras, que são silenciosas e quase invisíveis. As três primeiras atacam e matam o corpo rapidamente; as últimas atacam a alma e matam a esperança de uma vida feliz.

Existe uma gama de ferramentas no mercado para acabar com a Pandemia no Trabalho. De chofre, eu menciono três: StrenghsFinder, Profiler e DISC, todas com valores acessíveis, plataformas potentes (português, inglês e espanhol) e Inteligência Artificial.

Para as pandemias invisíveis e silenciosas o remédio é Crístico: “amar o próximo como a si mesmo”.

Descubra seus Pontos Fortes para combater a Pandemia no Trabalho. Use a consciência para combater as pandemias que ferem a alma dos moradores da senzala.

Gilmar Oliveira

Gilmar Oliveira, Professor Universitário.