OS HOMENS INVISÍVEIS ESTÃO NAS RUAS

Os homens invisíveis estão nas ruas. Desde há muito os vejo nas esquinas. Cobertos de papelões, se aconchegam nos viadutos, em busca de escaparem do frio e da chuva. Durante o dia, perambulam atrás de trocados e comida nas portas dos restaurantes e nos semáforos, onde passam como sombras e nos fazem levantar o vidro e baixar os olhos para o celular, pois eles são invisíveis.

Um deles, usuário da fome e das coceiras pelo corpo, resolveu escrever com um pedaço de carvão em um papelão a sua dor invisível. “Ajude estou com fome. Moro na rua e não tenho trabalho. Mais tem Deus pra lhe dar”. Ele mesmo foi testar no sinal o seu banner. Muitos leram sem ver quem estava segurando. O homem por trás do cartaz e de uma máscara suja, com a marca dos dedos na parte que cobre o nariz, passava horas naquela exposição, diante dos motoristas apressados e míopes da realidade. Vez por outra, caía uma moeda. Centavos que estavam nos consoles enfeando a harmonia dos carros. Uma senhora, compadecida com uma mulher invisível, que carregava no colo uma criança invisível, juntou uma moeda de 50 centavos, três de dez e uma de cinco e deu à sua filha que estava no banco de trás.

– Dê essa esmola para essa pequenina que está nos braços dessa mulher.

A menina estendeu a mão, depositou as moedas na cumbuca de plástico suja e, rapidamente, quase teve seu braço preso pelo vidro elétrico acionado pela mãe.

A mãe se virou para a filha e disse:

– Está vendo, como é bom fazer caridade?

E a filha, inocente e sem miopia, respondeu:

– Vamos buscar aquelas bonecas que a senhora ia jogar fora pra ela? Vamos trazer comida pra ela?

Tá bom, recolha sua bolsa, já estamos chegando na aula de inglês.

Carlos Gildemar Pontes

CARLOS GILDEMAR PONTES - Fortaleza - Ceará Escritor. Professor de Literatura da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Doutor em Letras UERN. Mestre em Letras UERN. Graduado em Letras UFC. Membro da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Foi traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Vencedor de Prêmios Literários nacionais, regionais e locais. [email protected] Tem 23 livros publicados, dentre os quais Metafísica das partes, 1991 (Coleção Alagadiço Novo, v. 29) – Poesia; O olhar de Narciso. (Prêmio Ceará de Literatura), 1995 – Poesia; O silêncio, 1996. (Literatura Infantil); A miragem do espelho, 1998. (Prêmio Novos Autores Paraibanos) - Conto Super Dicionário de Cearensês, 2000; Literatura (quase sempre) marginal, 2002 – Crítica Literária.; Os gestos do amor: magia e ritual, 2004 – Poesia (Indicado para o Prêmio Portugal Telecom, 2005); Diálogo com a arte: vanguarda, história e imagens, 2005 – Ensaios; A essência filosófica do amor, 2014 – Filosofia/ Comportamento ; Seres ordinários: o anão e outros pobres diabos na literatura, 2014 – Ensaios; Poesia na bagagem, 2018 – Poesia; O olhar tardio de Maria, 2019 – Conto

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.