OBSCURIDADE

vejo tudo fosco
borrado, meio sujo.
foi o grito que rompeu com o ontem
mas que até hoje ecoa.

tem ontens em todos os hojes.
faz sol,
chuva
e novamente ecoa.

Já é noite.
Aquele sujeito permanece de costas pra mim?

…esguio, pálido, exaurido.
um poço de desconvivência!

vire-se! você não me ouve?
ecoava o ontem, em todas as respostas que vinham daquele silêncio
e em cada segundo

dos próximos dias.

Marta Pinheiro

Poetisa, natural de Fortaleza, Ceará. Desde pequena demonstrou grande interesse pela literatura, aos 9 anos de idade fez seus primeiros rascunhos. Autora de contos e poesias que retratam cenas cotidianas. Atua como produtora cultural. Foi uma das fundadoras do Bloco Carnavalesco Hospício Cultural e uma das idealizadoras do projeto Sarau Casa de Poesia, iniciado em 2015 juntamente com a poetisa Carol Capasso. Teve dois de seus poemas publicados na antologia poética “ Flor de Resistência” organizado pelos escritores Ricardo Kelmer e Alan Mendonça. Seu livro de estréia é “Engenho de Dentro”, em processo de finalização.

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.