O JOGADOR DE BASQUETE

Finalmente havia chegado o grande dia. Aos 12 anos de idade, o jogador de basquete estava ansioso para disputar a final estadual do campeonato estudantil, a primeira em sua vitoriosa carreira. O basquetebol aparecera em sua vida como uma das tábuas de salvação depois da morte prematura de seu pai num acidente automobilístico, dois anos antes. Um desastre que afetou em cheio todo o seu núcleo familiar. Ele não entendia o porquê de crianças ficarem órfãs, principalmente quando os pais eram tão bondosos e dedicados.

                                                                                                                                                                                                       Muitas pessoas atribuíram aquele desastre na vida de sua família a uma “manifestação da vontade de Deus”, como tal deveria ser aceita sem desacordos. Isso o fazia pensar sobre em que base certas pessoas expressavam tanta certeza se nenhuma delas jamais havia conversado frente a frente com Deus para saber diretamente dele se de fato era aquela a sua vontade. Refletia: “Quem lhes havia revelado isso? E por que se atreviam a tanto? Afinal, que prazer sentiria Deus em causar tão bruscamente o terrível sofrimento da viuvez a uma jovem mulher apaixonada pelo esposo juntamente com a orfandade de suas cinco crianças?”. Recusava-se terminantemente a aceitar que fosse esse o sentido da ação de Deus: provocar sofrimento aos humanos. Aliás, ele pouco sabia sobre o agir de Deus. A morte do seu pai o havia conduzido a um lugar nunca antes visitado. Um vazio que nos primeiros momentos foi preenchido por muitas lágrimas e incertezas. Nunca mais teria em sua frente o semblante do pai a estampar aquele largo e sincero sorriso.  Forte lembrança daquele momento deu-se quando, ainda chorando ao lado do pai imóvel, veio em seu esteio uma bela mulher desconhecida, toda de preto, gratuitamente achegou-se e sussurrou-lhe ao ouvido palavras encorajadoras para reunir forças e seguir adiante. Um bálsamo calmante na ferida aberta.

                                                                                                                                                                                                           Na véspera do grande jogo recolhera-se cedo para erguer-se bem disposto para a disputa do dia seguinte. Mas a fantasia lhe dificultava abandonar o estado de vigília. Pensou no seu pai: será que lá do céu ele poderia acompanhar o jogo? Será que lá do céu ele teria condições de torcer e vibrar com a sua vitória? Também pensou na Menina: ah, aquele primeiro beijo! Será que ela iria assistir à final? O encontro com a Menina o havia levado a deslindar outras paragens com paisagens inusitadas, preenchidas pela fantasia, pela doçura, pelo fogo interior alimentado no encontro de olhares e carícias entre duas pessoas que se desejavam livremente um ao outro. Assim, o jogador de basquete adormeceu embalado pela saudade e pela paixão.

                                                                                                                                                                                                     Acordou bem cedinho, fez sua oração matinal e partiu para o ginásio, acompanhado pela mãe e por um dos irmãos. Quando lá chegou, assustou-se com a quantidade de pessoas presentes no ginásio desportivo. Todos os lugares haviam sido ocupados, fazendo daquela final um acontecimento na cidade. Seria uma disputa difícil, as duas esquadras haviam se classificado invictas em suas chaves. No vestiário recebeu, com sua equipe, um uniforme novo nas cores azul, branco e preto, confeccionado especialmente para aquela ocasião. Ficou imaginando quem teria confeccionado com tanto esmero aquela bela vestimenta.

                                                                                                                                                                                                         Na preleção preparatória, o treinador disse-lhes que havia chegado o momento de eles confirmarem o esforço de dois anos de trabalho e dedicação. Deveriam, portanto, colocar em prática aquilo que aprenderam, com tranquilidade e determinação, num profundo respeito pelos jogadores adversários. Além da aplicação técnica e tática, já que seria um jogo difícil pelo excelente nível das duas equipes, eles deveriam jogar com amor e com garra, isso seria capaz de fazer a diferença nas situações limites da partida. Durante o aquecimento em quadra, o jogador de basquete não acreditava no que estava vivendo. Procurou, numa última esperança, com o olhar, localizar a Menina. Mas ela não estava ali.

                                                                                                                                                                                                     A partida transcorreu disputada ponto a ponto. Foi preciso muita aplicação, precisão e paciência, integrando todos os conhecimentos e características dos jogadores, por meio de um diálogo tático e atento que lhes possibilitasse construir e aproveitar as melhores oportunidades de pontuação. Tratava-se de trabalhar em equipe. Ao final, seu time sagrou-se campeão. Era muita alegria!

                                                                                                                                                                                                                                  À noite, já em seu quarto, com o sonho conquistado, fruto de dois anos de trabalho de base de todo o grupo, lembrou-se do seu pai, e em sua saudade, no íntimo do coração, agradeceu-lhe pelo dom da vida, pela dedicação e pela disponibilidade em havê-lo acompanhado em seu desabrochar humano. Lembrou-se também da Menina, do quanto aquele primeiro beijo havia significado para ele, rasgando seu coração para a beleza do sentimento de poder abrir-se a alguém. Assim ele adormeceu, embalado pela alegria, pela saudade e pela paixão.

Alexandre Aragão de Albuquerque

Alexandre Aragão de Albuquerque

Especialista em Democracia Participativa e Movimentos Sociais (UFMG). Mestre em Políticas Públicas e Sociedade (UECE). Pesquisador do Grupo Democracia e Globalização (UECE/CNPQ). Autor do livro Juventude, Educação e Participação Política (Paco Editorial).

Mais do autor

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.