IDIOTAS ÚTEIS E O “CIDADÃO DE BEM. Por Uribam Xavier

Estamos em uma conjuntura mundial que aposta na “guerra de todos contra todos” como solução para nossos problemas. No Brasil, com a eleição do Bolsonaro para a presidência, passamos a viver um momento de obscurantismo, seus ministros desqualificados para os cargos para os quais são indicados falam abertamente um conjunto de bobagens que, de tão absurdas,  nos deixam abobalhados e indignados. O governo Bolsonaro é o uso da violência do Estado contra a cidadania, um governo em defesa do mercado, da teologia da prosperidade neopentecostal e do chamado “cidadão de bem”.

O “cidadão de bem” são os indivíduos que sempre querem se dar bem, uma ameaça à cidadania, um híbrido da Lei do Gerson mais o Jeitinho Brasileiro e a cafajestice. O “cidadão de bem” está presente em todas as classes sociais e seu comportamento é variável —  os que pertencem à classes média e alta pensam ser intocáveis pela lei, pensam que podem fazer suas próprias leis, que seus desejos não podem ser frustrados, odeiam pobres e gostam de ostentações.

O “cidadão de bem” não quer ser governado por um governo orientado pelo bem comum e com direitos inclusivos para todos, ele quer seguir e impor aos outros a  sua doutrina, como a  Escola Sem Partido, os valores do patriarcado, o desrespeito ao pensamento diferente , a homofobia, o racismo e a lógica capitalista do Deus mercado.

O pensamento conservador é de ordem política e religiosa, tem como motor de mobilização, além dos seus desejos consumistas, o moralismo e a defesa da ordem. Uma das características do conservadorismo é sua amarra a uma percepção cognitiva de que a realidade de certas coisas não deve mudar, como se elas tivessem validade eterna, como por exemplo, o modelo de organização familiar e a exploração do trabalho de uns por outros. É nesse sentido que Bolsonaro chama de idiota útil àqueles que se manifestam contra cortes no orçamento da educação, que se posicionam contra a reforma da previdência, pois, para os fascistas, uma sociedade inclusiva, igualitária e sem arma é uma idiotice. Olavo de Carvalho, guru moralista de Bolsonaro, escreveu um livro dando dicas do que não ler para não se tornar um idiota [um cidadão] e de como tornar-se um “cidadão de bem” [um fascista]. O livro teve muita audiência e no governo Bolsonaro existe uma ala ocupando cargos chamada de olavistas, liderada pelo próprio presidente e seus filhos, que colocam coleira até nos militares.

Uribam Xavier

Uribam Xavier

Graduado em Filosofa Política e Doutor em Sociologia, professor da área de Ciência Política do Departamento de Ciências Sociais. Autor do Livro “O Capital e a Política”, editora Livro Novo, São Paulo, 2012.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.