Eleições 2018: a previsibilidade se faz perceber, por Álder Teixeira

 Há quatro meses preso em Curitiba (sob acusações que não convencem), Lula continua a animar os debates em torno da sucessão presidencial. Tudo, tudo, por uma razão muito simples: impedido de ser candidato, objetivo indisfarçável de uma Justiça comprometida com o que existe de mais abominável em termos morais e ideológicos, mesmo assim todos os fatos políticos apontam para uma disputa entre o candidato por ele indicado e Alckmin, no segundo turno. Sem perder de vista que é precipitado emitir opinião a esta altura do campeonato, pelo que corro o risco de ser criticado depois, arrisco expor aqui a minha percepção de como andam as coisas no cenário eleitoral de 2018.

Começo pelo candidato Ciro Gomes, que, mais uma vez, parece desconstruir a sua imagem em razão de não saber silenciar seu “sturm und drang” (paixão e ímpeto), para me valer de uma expressão muito usada entre os estudiosos de literatura com que se define uma poesia selvagem, ferina, espontânea, incontida, surgida na Alemanha entre 1760 e 1780. Ou seja, reunindo excelentes condições intelectuais, uma visão de mundo avançada, entre outras qualidades positivas inegáveis, o candidato do PDT, reeditando seu comportamento em campanhas passadas, vem se revelando incapaz de conter seu temperamento explosivo, de conviver com o contraditório, de administrar divergências, de exercitar a bela experiência da alteridade. O resultado, quando se age assim, nunca é outro: perde-se apoio, cai-se vertiginosamente nas pesquisas e inviabiliza-se, da noite para o dia, qualquer alternativa de ação em termos eleitorais. É, cada vez mais, improvável a sua chance de ir para o segundo turno.

Como prova de que nem tudo está perdido, felizmente, o pior dos nomes com chances iniciais de vencer a eleição, Jair Bolsonaro, vai dando a ver, mesmo para os mais empolgados de primeira hora, inimigos figadais de Lula e do PT, que é mesmo um mito (no mau sentido!): uma mentira ardilosa, um engodo, um embuste, uma cilada capaz de levar o país ao pior desastre que se pode imaginar em termos políticos. Na medida em que se aproxima o dia da eleição, é ter olhos para ver, o candidato da extrema-direita como que se liquidifica, sob o peso de sua desfaçatez e da ausência de propostas minimamente racionais para um país à beira do abismo. Homofóbico, racista, reacionário, propenso à violência de toda ordem, entusiasta da tortura, Bolsonaro dificilmente irá para o segundo turno, prova, insisto, de que nem tudo está perdido. Em que pese, registre-se, ter se mostrado mais sereno no primeiro debate entre presidenciáveis.

Neste cenário, pois, como dito acima, é que tudo está levando a crer que, em 2018, de novo a disputa se dará entre os candidatos do PT e do PSDB, afastando-se, claro, a hipótese remota de que Marina Silva revele-se portadora de uma capacidade política incomum, contrária a qualquer reflexão teórica que tome por base a sua história nas últimas eleições.

Neste quadro, inicialmente confuso e improvável, nem mesmo começou a campanha e as coisas parecem ir tomando um rumo menos imprevisível. Com os minutos de que dispõe na tevê, nas regras questionáveis da proporcionalidade partidária adotadas pelo TSE, e vantagem a ser considerada como decisiva para uma candidatura em primeiro turno, Alckmin deve ir para a disputa final.

Assim, Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, se confirmada a sua indicação por Lula, este, líder absoluto das pesquisas e despudoradamente afastado do processo pela elite empresarial brasileira e seus asseclas de plantão, poderá ser mesmo o nome de esquerda com maior chance de vitória no segundo turno.

Desconhecido, ainda, notadamente entre os eleitores do Nordeste, principal reduto do lulismo e do PT, Fernando Haddad reúne excelentes condições de absorver percentual expressivo dos votos de Luiz Inácio Lula da Silva, firmando-se como uma liderança de rara densidade à esquerda do espectro político brasileiro. Jovem, muito equilibrado e intelectualmente preparado, trata-se de um quadro como há muito não se via entre os candidatos competitivos. Ao que se soma, diga-se em tempo, a presença inspiradora de Manuela D’Ávila como vice na chapa do Partido dos Trabalhadores.

 

Alder Teixeira

Alder Teixeira

Professor titular aposentado da UECE e do IFCE nas disciplinas de História da Arte, Estética do Cinema, Comunicação e Linguagem nas Artes Visuais, Teoria da Literatura e Análise do Texto Dramático. Especialista em Literatura Brasileira, Mestre em Letras e Doutor em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais. É autor, entre outros, dos livros Do Amor e Outros Poemas, Do Amor e Outras Crônicas, Componentes Dramáticos da Poética de Carlos Drummond de Andrade, A Hora do Lobo: Estratégias Narrativas na Filmografia de Ingmar Bergman e Guia da Prosa de Ficção Brasileira. Escreve crônicas e artigos de crítica cinematográfica

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *