De repente começou a faltar soro antiofídico no Brasil que antes até exportava, denuncia senador do MDB

O Senador Confúcio Moura (MDB-RO) falou nesta terça-feira (25), em Plenário, sobre denúncia recebida por vereadores de Rondônia, que informaram da escassez do soro antiofídico para atender principalmente trabalhadores rurais aos sitiantes, chacareiros, fazendeiros que forem picados por cobras. Ele lamentou que com a crise econômica dos Estados maiores, alguns institutos que produziam o soro tenham sido fechados ou diminuído a produção.

— O Brasil exportava soro para toda a América Latina. Atendia o Brasil inteiro, que é grande, é continental, e atendia também os países latino-americanos. E, de repente, há pouco, o antigo Instituto Vital Brazil, que produzia soros e medicamentos, pela crise do Rio de Janeiro, fechou — lamentou.

Confúcio Moura explicou que o soro não pode ser importado. Segundo o parlamentar, a cobra brasileira não é mesma de outros países, e em cada região, as cobras venenosas são diferentes. Ele informou que Rondônia recebia cerca de 1,2 mil a 1,5 mil doses de soro antiofídico e outros diferentes, agora recebe apenas 100 doses.

Agência Senado

segundaopinião

segundaopinião

SEGUNDA OPINIÃO é um espaço aberto à análise política criado em 2012. Nossa matéria prima é a opinião política. Nosso objetivo é contribuir para uma sociedade mais livre e mais mais justa. Nosso público alvo é o cidadão que busca manter uma consciência crítica. Nossos colaboradores são intelectuais, executivos e profissionais liberais formadores de opinião. O SEGUNDA OPINIÃO é apoiado pelo MOVIMENTO COESÃO SOCIAL.

Mais do autor