Tudo sobre: Cultura

SHAKESPEARE MENOS UM

Apenas uma vida tenho
Para do meu amor dizer
Ao menos uma mínima
Positividade. O tempo
Enquanto isso, passa.
Viajamos, vivemos e
Como podemos, somos.
Não quero da declaração
Uma única lágrima. Não,
Não é feio o meu amor,
Não é feio o meu desejo,
Não é feio o meu corpo,
Coisas

COM AÇÚCAR, COM AFETO

Durante palestra no Cine São Luiz, dentro da programação em homenagem aos oitenta anos de Chico Buarque de Hollanda, evento organizado pela Academia Cearense de Cinema, levanta-se a questão: “Músicas como ‘Com açúcar, com afeto’ devem ser excluídas do repertório

O Mágico de Oz

Em 1939, “O Mágico de Oz” foi lançado, encantando gerações com a história de Dorothy, uma menina que, após um tornado, é levada para a terra de Oz. Lá, ela encontra novos amigos e enfrenta desafios para voltar para casa. Este clássico nos ensina sobre coragem, empatia, inteligência e a importância de acreditar em nosso próprio potencial. O filme, que completa 85 anos, continua a ser um marco cultural, inspirando tanto jovens quanto adultos com suas valiosas lições de vida.

KINTSUGI

Meus pedaços quebrados
Minhas lascas e rachaduras
Quem os irá recompor,
Assim transfigurados
Nova feitura, outra criatura
Quem junta, quem cada caco une
Descobre um tesouro
A cola da planta, o ouro
Os pedaços reúne
Numa nova beleza
Outro vaso surge
Porque a vida urge, ressurge
Cada pedaço sou eu
O

TODOS GIL

Onde o zabumba toca
E onde o pife é rei
Vem chegando majestade
Do alto da sua idade
Menino preto faz lei
Um Gil, Dois, três e Mil
Tantos Gilbertos despertos
Meninos pretos espertos
Dançam e cantam o seu lugar
Triângulo, rabeca, chocalho
São vida, fé e trabalho
Pra

DOMÍNIO

Tenho gaiolas
masmorras, grades, grilhões
Todo dia um combate de leões
Fugas de alçapões
Experimento modorras, sem alardes, serões
Movimento de conchas, voos, salvação
A hora de casulo e amplidão
Só eu posso sentir
Deixe-me seguir
Só eu crio minhas prisões e asas
Solidões e casas para o

O LIVRO DO PERDÃO

Perdoem, irmãos, a longa ausência
Sei que inda assim de mim falaram
Que nunca fui, portanto, tão presente
Perdão, irmãos, amigos escolhidos,
Perdão sobre perdão. Me cerquei
De livros, também vossos amigos,
Muito espero. E pensei, pensei,
Pensei coisas de bar e botequim
Mui semelhantes àquelas outras
Que nos

HUMBERTO MORREU DE AMOR

Kalu, Kalu,/Tira o verde desses óios de riba d’eu/Kalu, Kalu,/Não me tente se você já me esqueceu/Kalu, Kalu,/Esse oiá depois do que se assucedeu”.
A atividade intelectual e o gosto pelo jornalismo (escrevi para o jornal “O Estado de Mato Grosso”

ESPERANÇO

Se você voltar
Vou guardar uma coisinha pra você
Mas não vou dizer, você vai saber na hora
Você foi embora sem saber
Eu tenho uma palavrinha boa
Tão leve que até voa
Você vai compreender
Quando você voltar
Meu abraço já diz tudo
Se acaso eu ficar mudo
E