Deputado Carlos Ubaldino (PSD) quer prevenção de drogas no currículo escolar

Reconhecendo o papel da escola como de fundamental importância na formação do indivíduo cidadão e conscientes de seu papel na sociedade, o deputado  apresentou na Assembleia Legislativa projeto de lei que dispõe sobre a inclusão da disciplina prevenção do uso indevido de drogas como conteúdo da grade curricular das escolas da rede pública e privada na Bahia.

O projeto define que a disciplina deverá abordar como conteúdo programático, os efeitos do uso da droga na vida das pessoas, dos danos morais e sociais no seio da família, e da escola na prevenção do uso e na recuperação do dependente. Ainda de acordo com o parágrafo, todas essas diretrizes devem ser elaboradas pelo setor técnico responsável da Secretaria de Estado de Educação.

Na proposição, o deputado relata que será de responsabilidade da Secretaria de Educação tornar possível cursos de qualificação e formação para os professores, bem como incluirá em seus processos seletivos a necessidade de profissionais qualificados dentro da proposta. “Além da inclusão da disciplina nos currículos escolares, será necessário cuidar da formação dos professores, disponibilizar programas adequados para as diferentes faixas etárias no ensino fundamental e no médio, a fim de garantir o pleno desenvolvimento pedagógico do educando”, descreve o Ubaldino.

O parlamentar fundamenta o seu projeto em dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, do Ministério da Saúde, que, em 2012, constatou que 66,6% dos adolescentes – entre 13 e 15 anos – experimentaram bebida alcoólica alguma vez na vida. Ainda segundo o levantamento feito pelo parlamentar, no mesmo ano, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) apontava, em criterioso estudo, que pelo menos 75% dos jovens infratores no Brasil eram usuários de drogas.

“Causa espanto que três anos depois, pesquisa elaborada pelo Centro de Referência Estadual em Álcool e Drogas (Cread), apurou que mais de dois terços dos 1.976 dependentes químicos, que buscaram ajuda, experimentaram drogas entre 12 e 17 anos”, afirma o deputado.

Ubaldino defende que a maior e melhor forma de combater tão grande mal é atacá-la na raiz; na sua forma mais embrionária. Neste caso, entende ele, a prevenção é a melhor alternativa para o enfrentamento do consumo de drogas lícitas e ilícitas entre estudantes.

Com contribuição da Assessoria de Comunicação Social

Franzé de Sousa

Franzé de Sousa

Repórter Fotográfico/Videomaker, colaborador do Segunda Opinião.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *