Sobre Carlos Gildemar Pontes

CARLOS GILDEMAR PONTES - Fortaleza - Ceará Escritor. Professor de Literatura da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Doutor em Letras UERN. Mestre em Letras UERN. Graduado em Letras UFC. Membro da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Foi traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Vencedor de Prêmios Literários nacionais, regionais e locais. [email protected] Tem 23 livros publicados, dentre os quais Metafísica das partes, 1991 (Coleção Alagadiço Novo, v. 29) – Poesia; O olhar de Narciso. (Prêmio Ceará de Literatura), 1995 – Poesia; O silêncio, 1996. (Literatura Infantil); A miragem do espelho, 1998. (Prêmio Novos Autores Paraibanos) - Conto Super Dicionário de Cearensês, 2000; Literatura (quase sempre) marginal, 2002 – Crítica Literária.; Os gestos do amor: magia e ritual, 2004 – Poesia (Indicado para o Prêmio Portugal Telecom, 2005); Diálogo com a arte: vanguarda, história e imagens, 2005 – Ensaios; A essência filosófica do amor, 2014 – Filosofia/ Comportamento ; Seres ordinários: o anão e outros pobres diabos na literatura, 2014 – Ensaios; Poesia na bagagem, 2018 – Poesia; O olhar tardio de Maria, 2019 – Conto

POR UMA ALMA ESTÉTICA

 
Todos os esforços para implementar um parâmetro crítico sobre a obra literária esbarra sempre na vinculação desta a uma corrente filosófica ou científica, estrangeira, que ora tende para a subjetivação, distanciando-a do texto, ora para sua oclusão, como se fosse

O MEDO DE AMAR É UM FRACASSO

Agradar uma pessoa significa fazê-la feliz. Mas como fazer uma pessoa feliz, quando ela não aceita ser agradada, seu conceito de felicidade é outro, e não atende às expectativas de quem quer vê-la sorrir? Aí reside um problema de natureza

A REVOLTA DA POBRAIADA

Atenção, pobraiada, na qual, por falta de uma Ferrari na garagem e de uma conta bancária que me possibilite ir às Bahamas anualmente, beber água de coco, e por absoluta  discordância ideológica com a exploração, eu me incluo.
O planeta Terra

O GOLPE DO POVO

A democracia não existe sem o povo. É ele quem decide, quem elege e quem destitui os governos de acordo com os condicionantes estruturais do momento histórico. É aí que entra o processo histórico que vai legar para as gerações

A CORROSÃO DA UTOPIA

A utopia, como formulação filosófica e como resultado do seu uso inadequado, transformando o termo num lugar comum, aproximou o sentido original, pensado por Thomas Morus, das ideologias prospectivas de um mundo ideal. O idealismo, o comunismo, até mesmo o